segunda-feira, 9 de março de 2015

Comentários de Bill Johnson feitos no twitter

Já ouviu falar de Bill Johnson e da sua Teologia do 'Reino Agora' (Kingdom Now Theology)?

Antes de dar a minha opinião sobre ele, eu gostaria de saber o que acha sobre estes 10 comentários de Bill Johnson feitos no twitter?


Comentário 1: Deus tem tem a responsabilidade das coisas, mas não tem o controle das coisas. Ele nos coloca a nós no controle das coisas - Bill Johnson.

Comentário 2: Deus nunca viola sua Palavra. Mas ele é livre para violar a nossa compreensão da sua palavra - Bill Johnson.

Comentário 3: Jesus não veio mostrar-nos o que Deus podia fazer (através dele). Ele veio mostrar-nos o que um homem que tinha um relacionamento certo com Deus podia fazer - Bill Johnson.

Comentário 4: Se Jesus fez as coisas que fez como sendo Deus então isto é impressionante. Mas se ele fez estas coisas como sendo um homem como eu, então eu não estou satisfeito com a minha vida.

Comentário 5: Jesus está regressando para uma noiva cujo o corpo está na proporção igual à cabeça.- Bill Johnson.

Comentário 6: Quando tu recebes o Espírito de Deus, tu perdes o 'privilégio' de dizer "Eu sou somente um humano" -Bill Johnson

Comentário 7: Se eu acredito que a doença é para o corpo, como o pecado é para a alma, então não ficarei intmidado por nenhuma doença - Bill Johnson.

Comentário 8: A excelência é reinar, o aperfeiçoamento é religioso e a pobreza é demoníaca - Bill Johnson.

Comentário 9: Se tu não estás a gozar a vida, então tens que parar e procurar saber aonde é que deixaste Jesus - Bill Johnson.

Comentário 10: A música dá uma plataforma para que as pessoas respondam à verdade ficando fora do seu intelecto - Bill Johnson.

Se quiser saber a minha opinião sobre a Teologia do 'Reino Agora' de Bill Johnson  - clique em baixo: (vale a pena ler, só precisa de 2 minutos)

terça-feira, 3 de março de 2015

Alguns aspectos sobre o assunto da profecia


V I. Alguns aspectos sobre o assunto da profecia 


A. Introdução ao assunto

Vamos supor que somos cessacionistas muito moderados e cremos que o dom de profecia ainda existe como um dom para avisar a Igreja mas somente através da pregação da Palavra de Deus, ou se formos continuacionistas moderados acreditamos que pode ser também através de um meio sobrenatural e que inclui uma certa predição do futuro de algo que vai acontecer na vida de uma pessoa, de numa igreja ou mesmo no mundo.

Por quem achamos deve ser feita essa profecia? E, como deve ser feita?

Em primeiro lugar eu penso que deve ser feita por alguém que tem o dom da profecia, e já vimos que nem todos os crentes têm o dom da profecia.

Em segundo lugar, normalmente como regra geral os profetas não deviam ultrapassar o seu nível de autoridade ou proporção da sua fé, ou medida do dom de Cristo que lhes foi dada.

Ou seja um profeta de uma pequena “igreja”, não devia estar a fazer profecias para uma “nação”.

E, um profeta que funciona num lar, não devia estar a fazer profecias a nivel da sua denominação.

Deus deu os 5 ofícios e devem ser aqueles que exercem estes ofícios a desempenharem estas funções, cada um, segundo a porporção da sua fé e a medida do dom de Cristo como vemos em Efésios 4:7-11.

É claro que é o mesmo com muitos pastores e doutores nunca chegarão a um ponto de pregar em grande conferência, ou terem ministérios a um nível nacional e internacional. O mesmo poderíamos dizer dos evangelistas, profetas e apóstolos.

Alguns desempenharão uma pequena função dentro de uma pequena Igreja, outros dentro de uma grande maior, outros serão úteis dentro da sua própria denominação e nação, e alguns poderão ter mesmo um ministério internacional.

Eles funcionarão segundo a proporção da sua fé, a medida do dom de Cristo que foi dada a cada uma.
Um dos grande erros cometidos por aqueles que acreditam que o dom da profecia é para todos os crentes, é que não controlam quem faz as profecias, e qualquer pessoa dentro da congregação pode levantar-se e a profetizar.

Depois se os lideres acharem que a profecia está errada, dizem “não se incomode irmão (ã), a profecia é assim mesmo, pode estar certa ou errada”!

A profecia tem que estar sempre certa, pois vem de Deus e se alguém não tem 100% a certeza que vai falar da parte de Deus deve ficar sentado. É isto que pelo menos devia ser ensinado nas Igrejas mais continuacionistas, para evitar a grande confusão que as profecias trazem para dentro destas Igrejas.

Além disso nunca deviam comparar o grau de inspiração e exatidão das profecias feitas pelos profetas e apóstolos que profetizaram debaixo de uma inspiração absoluta, com o grau de inspiração e exatidão de uma profecia feita hoje debaixo de uma inspiração relativa. 

Neste caso as profecias devem ser testadas, mas isto não quer dizer que devemos ensinar “não faz mal irmãos se errarem, pois a profecia é assim mesmo, pode estar certa ou errado”.

A profecia está sempre certa, pois vem de Deus, se alguém profetizar erradamente, temos que chamar no mínimo de profecia falsa e isto é grave aos olhos de Deus.

Deuteronómio 18:20-22 Mas o profeta que ousa falar em meu nome alguma coisa que não lhe ordenei, ou que falar em nome de outros deuses, terá que ser morto. Mas voçês perguntem a si mesmos: “Como saberemos se uma mensagem não vem do Senhor?” Se o que o profeta proclamar em nome do Senhor não acontecer nem se cumprir, essa mensagem não vem do Senhor. Aquele profeta falou com presunção. Não tenham medo dele.” 

A profecia tem que estar sempre certa, para podermos chamar de profecia. Eembora saibamos que o profeta do novo testamento, se de facto este ofício ainda existe, não profetiza debaixo de inspiração absoluta como os profetas antigos.

Ele  é um pregador que avisa o povo da parte de  Deus, mas baseando-se principalmente na Bíblia, sempre que o povo se está a desviar de Deus.

É possível que ele tenha um certo dom de revelação e predição, mas se assim for é claro que temos que admitir que a margem de erro é muito maior do que a margem de erro de um profeta que está a profetizar debaixo de inspiração total.

Mas deixo este tema que em aberto.

Há muitos pastores continuacionistas, estão a chegar à conclusão que devem controlar muito mais o exercicio da profecia e dos dons miraculosos dentro das suas igrejas, por causa da grande confusão que isto está a causar nas Igrejas.

Nenhuma Igreja irá pedir a um crente qualquer para subir ao púlpito para dar uma pregação ou um ensino, ou não é verdade? Porque razão então é que qualquer crente pode levantar-se dirigir-se à Igreja dando uma profecia. Será que a porpoção da sua fé, e a medida do dom de Cristo, lhe foi dada para este fim?

B. Comentário sobre I Coríntos 14

I Coríntos 14:29 E falem dois ou três profetas e os “outros” julguem ... Porque os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.

Quem são os “outros”?

“Os outros” dentro do contexto só pode estar referir-se aos “outros profetas” e não aos outros membros da congregação. Por isso o texto continua e diz no v32 “Porque os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas”.

Segundo o contexto são os profetas que fazem as profecias, não todos os membros. E, Paulo, está a alertar aos profetas para serem cuidadosos, pois as suas profecias serão julgadas pelos outros profetas, que podem não concordar que a profecia veio de Deus.

I Coríntios 14:31 Porque “todos” podereis profetizar, um após outro, para todos aprenderem e serem consolados.

Quem são “todos”?

De novo, este verso está dentro do mesmo contexto, mas alguns utilizam o versículo, que tirado do contexto, parece estar a dirigir-se a todos os membros ao utilizar a palavra “todos”.

Mas dentro do contexto, a palavra “todos” não pode estar a referir-se “aos outro”, ous seja aos outros profetas. Por essa razão Paulo ja tínha dito antes, vemos no v29 “Tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três, e os outros julguem”.

Aliás do versiculo 29 ao versículo 33 Paulo está a falar dos profetas.

Portanto a expressão “todos podem profetizar” e “os outros julguem” diz respeito aos profetas.

I Coríntios 14:24-25 Porém, se todos profetizarem, e entrar algum incrédulo ou indouto, é ele por todos convencido e por todos julgado; tornam-se-lhe manifestos os segredos do coração, e, assim, prostrando-se com a face em terra, adorará a Deus, testemunhando que Deus está, de fato, no meio de vós.

O texto em cima, se o tirarmos do contexto geral do caps 12 e 14, também parece dizer que “todos” podem profetizar.

Mas de novo tenho que dizer que não podemos esquecer, que o capítulo I Coríntios 14 é o seguimento do assunto que vem a ser tratado desde o capítulo 12 sobre os dons do Espírito Santo. O capítulo 14 trata dos dois dons que estão a trazer mais problemas dentro da Igreja, como também é o caso hoje, o dom de línguas e o dom de profecia.

A palavra “os outros”, “todos” analisado dentro do contexto refere-se aos profetas.

Aliás no capítulo 12, Paulo já tinha dito muito claramente que os dons do Espírito Santo são diferentes, são dados a cada um para a edificação, como o Espírito quer, e a um é dado o dom de línguas, e a outro é dado o dom de profecia.

Não há ninguém que tenha “todos” os dons, nem há nenhum dom que “todos” tenham, segundo o contexto dos capítulos 12-14 de Coríntios, Efésios 4 e Romanos 12.

A uns o Espírito deu um dom, a outros o Espírito deu um outro dom, tudo para a edificação da Igreja.

Portanto Paulo deixa bem claro que nem todos têm o dom de línguas, nem o dom de profecia, embora os Coríntios pensassem o contrário, ambicionando estes dons, devido à sua espectacularidade.

Por essa razão Paulo diz no final do capítulo 12 “a uns pois Deus na Igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro doutores” etc etc e depois pergunta “Porventura são todos profetas?”.

Mas a corrida atrás dos dons, e o mau uso dos dons, era tão grande, que causou uma grande confusão na Igreja. Os dom de língua e o da profecia eram os dons que causavam mais confusão, daí Paulo sentir necessidade de dedicar o capítulo 14 a esses dois dons, onde ele aproveita para estabelecer mais alguns princípios, especialmente no que diz respeito à forma ordeira como estes dois dons, e os outros dons, deviam ser utilizados na Igreja.

Ainda hoje estamos a assitir ao mesmo problema e os dons miraculosos, e de uma forma especial o dom de profecia e de línguas está a causar muita confusão nas Igrejas, e a criar divisão no corpo de Cristo.

C. Enchimento de poder e profecia

Uma coisa é estar Cheio do Espirito Santo:

Efésios 5:18 “enchei-vos do Espírito Santo”

Isto fala de plenitude, em que o crente pode crescer na santidade, no conhecimento do seu dom (ou dons) e nos frutos do Espírito Santo. Este devia ser o estado normal do crente. O crente deve procurar contínuamente viver cheio do Espírito Santo.

Outra coisa é estar cheio do poder do Espírito Santo:

Miqueias 3:8 Eu, porém, estou cheio do poder do Espírito do SENHOR, cheio de juízo e de força, para declarar a Jacó a sua transgressão e a Israel, o seu pecado.

Isto fala de uma plenitude maior que pode, muitas vezes, estar associada com o ministerio dos 5 servos, nomeado em Efésios 4:11.

Por exemplo no caso dos profetas antigos, vemos em Ezequiel, o Espirito descia sobre eles com poder para revelar-lhes algo da parte de Deus, isto através de uma visão, sonho, revelação, ou podiam mesmo ouvir a voz audível de Deus, como foi o caso de Samuel, Elias e Moisés.

No caso de Moisés ele não so ouviu a voz audível de Deus, mas ele teve um encontro face a face com Deus. Numeros 12:6-8

Aliás, tudo parece indicar que aqueles que exercem o dom de profecia - os profetas, tanto antigos, como os de hoje, devem entrar no concelho de Deus para ouvirem a mensagem ou revelação que Deus quer que eles declarem. Isto só é possível pelo Poder de Deus.

Leia com atenção as passagens:

Números 12:6-8
Juizes 14:6
Jeremias 23:18
Amós 3:7
I Reis 22:19-22
Salmos 82:1
Salmos 89:5

Cito em baixo dois exemplos de duas coisas que acontecem quando um profeta faz uma profecia, ou seja, quando ele fala em nome de Deus, directamente da parte de Deus:

D. O Espirito desce sobre o profeta com poder:

II Cronicas 20:14-16 Então, veio o Espírito do SENHOR no meio da congregação, sobre Jaaziel, filho de Zacarias, filho de Benaia, filho de Jeiel, filho de Matanias, levita, dos filhos de Asafe, e disse: Dai ouvidos, todo o Judá e vós, moradores de Jerusalém, e tu, ó rei Josafá, ao que vos diz o SENHOR. Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus. Amanhã, descereis contra eles; eis que sobem pela ladeira de Ziz; encontrá-los-eis no fim do vale, defronte do deserto de Jeruel.

E. O profeta apresenta-se no concilio celestial

Os profetas antigos apresentavam-se no concilio celestial, e era lá que ele viam e ouviam o que deve comunicar ao povo da parte de Deus:

Jeremias 23:16-18 Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam e vos enchem de vãs esperanças; falam as visões do seu coração, não o que vem da boca do SENHOR. Dizem continuamente aos que me desprezam: O SENHOR disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo a dureza do seu coração dizem: Não virá mal sobre vós. Porque quem esteve no conselho do SENHOR, e viu, e ouviu a sua palavra? Quem esteve atento à sua palavra e a ela atendeu?

Será que podemos atribuir este mesmo poder aos que supostamente dizem ser profetas nos tempos de Hoje?

Eu acho que não.


V I I. Perguntas para a reflexão:

Qual é o ensinamento da Biblia, nestas coisas, por exemplo se um crente ou pastor estiver a pecar, deverá ser denunciado, disciplinado ou destituido publicamente por uma profecia?

Um exemplo: Como lidar com o pecado de um irmão ou presbitero Mateus 18:15-22, I Timoteo 5:19-20

Se os exemplos em cima forem exageros, será que como está a haver exageros no uso da profecia, isto prova que é um dom que já não existe hoje, e, por isso, ninguém deveria profetizar?

Será que não poderão haver exageros noutras àreas, como por exemplo, no uso da pregação, música, acção social ou outros ministérios dentro da Igreja?

Se acreditamos em todos os dons e oficios, incluindo os dons miraculosos, o que deveriamos fazer para haver uma utilização útil destes dons em serviço da Igreja e à sua expansão no mundo, dando cumprimento à Grande Comissão de Cristo? Como poderiam ser ensinados, cultivados e não permitir um uso abusivo dos mesmos dentro da Igreja.

Uma proposta: Ensinar sobre os dons e oficios aos membros que queiram crescer nesta àreas em reunuião destinadas para este fim. Os cultos normais da Igreja devem estar debaixo do controle dos presbiteros, anciaos (que são os pastores). Eles são os responsáveis pela congregação, por tudo o que se passa, tambem na questão do exercicio dos dons e oficios dentro da Igreja.

Não devemos nem impedir nem brincar com profecias, seja quais for a posição que tivermos sobre as mesmas, cessacionistas moderados ou continuacionistas moderados, pois as profecias não são pensamentos que vêm da nossa mente, mas sim da Mente Divina.


V I I I. Perguntas e respostas 

Gostaria de terminar com algumas perguntas e respostas bíblicas

Depois de ter lido o comentário em cima, pense nestas perguntas e respostas e veja qual é a posição bíblica mais correcta. 

A de um continuacionista ou de um cessacionista? Ou, então, a de um continuacionista moderado, ou cessacionista moderado!?

1º Pergunta 

Os dons miraculosos cessaram ou continuam a existir?

Resposta:

1. Alguns textos em que se baseiam os continuacionalistas:

I Coríntios caps 12 e 14, Romanos 12 e Efésios 4:7-16

2. Alguns textos em que se baseiam os cessacionistas:

Hebreus 2:3 Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação? A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.

I Coríntios 13:8 “O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará”.

2ª Pergunta 

Devem todos os crentes ter o dom de línguas?

Resposta:

I Coríntios 12:30 Têm todos dons de curar? Falam todos em outras línguas?

3ª Pergunta  

É o dom de línguas um sinal do Baptismo do Espírito Santo?

Resposta:

I Coríntios 12:30 Falam todos em outras línguas?

4ª Pergunta 

É o dom da profecia dado a todos os crentes?

Resposta:

I Coríntios 12:7-11 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso. Porque a um é dado ... os dons de curar e a outro a profecia. Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente.

I Coríntios 12:29 Porventura, são todos apóstolos? Ou, todos profetas? São todos mestres? Ou, operadores de milagres?

Romanos 12:4 Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé.

5ª Pergunta  

Se aceitarmos que existem ainda profetas e apóstolos, mas não com o mesmo poder e autoridade e missão que os profetas e apóstolos da Bíblia ... ou acreditando que tenham o mesmo poder, autoridade e missão.

Quem tem no entanto o governo das Igrejas: os profetas e apóstolos ou os pastores?

Resposta:

Tito 1:5 Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi:

I Pedro 5:2 pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho.

6ª Pergunta  

Acreditando ou não que os apóstolos e profetas de hoje, tenham o mesmo poder e autoridade e missão que os profetas e apóstolos da Bíblia.

Há uma continuação dos ofícios dos profetas e apóstolos nos tempos da Igreja?

Resposta:

Efésios 4:11 E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres

I Coríntios 12:29 A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres; depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. Porventura, são todos apóstolos? Ou, todos profetas? São todos mestres? Ou, operadores de milagres?

7ª Pergunta 

Será que devíamos utilizar os termos: 

Batismo DO Espírito Santo e Batismo de Poder Espírito Santo, para definir duas experiências diferentes?

Resposta:

1. Alguns textos que parece falarem do Batismo DO Espirito Santo

Mateus 3:11 Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.

Atos 2:38 Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo.

Atos 11:16 Então, me lembrei da palavra do Senhor, quando disse: João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis Batizados com o Espírito Santo

1 Corintios 12:13-14 Pois, em um só Espírito, todos nós fomos Batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito. porque todos quantos fostes Batizados em Cristo de Cristo vos revestistes.

Efésios 1:13 em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa

2. Alguns textos que parece falarem do Batismo de Poder do Espirito Santo?

Lucas 24:49 Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder.

Atos 1:8 mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.

Atos 2:4 Todos ficaram cheios do Espírito Santo e passaram a falar em outras línguas, segundo o Espírito lhes concedia que falassem

Atos 4:29 -31 agora, Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que anunciem com toda a intrepidez a tua palavra, enquanto estendes a mão para fazer curas, sinais e prodígios por intermédio do nome do teu santo Servo Jesus. Tendo eles orado, tremeu o lugar onde estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e, com intrepidez, anunciavam a palavra de Deus

Efésios 5:18 E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas Enchei-vos do Espírito

Conclusão:

Será que se obedece ao mandamento para manter a ordem na igreja, quando se fazem publicamente as seguintes profecias:

Profetizar o movimento da Bolsa para ajudar crentes a investir ou retirar investimento da bolsa?

Denunciar publicamente crentes que pensam estar a viver em pecado? (descrevendo o tipo de pecado que estão a cometer).

Profetizar sobre a prosperidade material de crentes? (dizendo por exemplo que um crente virá a possuir este ou possuir aquele bem)

Profetizar a destituição de pastores ou lideres dos seus cargos?

Profetizar sobre a pessoa que alguém deve casar? (dizendo o nome da pessoa que deve casar com este (a) ou aquele(a) crente).

E quem faz estas profecias, utilizar constantemente figuras, ou imagens, por exemplo, o suposto profeta levanta-se e diz: “eu vi um rio de agua limpida a correr ... etc” ou “eu vi uma lagarta ... a comer etc” e fazer uma aplicação desta imagens, ou outras, pretendendo que Deus está a dizer alguma coisa para a Igreja.


Será que devemos abonar este tipo de coisas, ou que chamam profecias, dentro das nossas Igrejas?


Final

sábado, 30 de agosto de 2014

Eis o Homem, disse Pilatos!

EIS O HOMEM, DISSE PILATOS - AO FALAR DE JESUS!

Em química, Ele converteu a água em vinho;

Em biologia, nasceu sem a concepção normal;


Em física, desmentiu a lei da gravidade, andando 
sobre as águas e subindo aos céus;


Em economia, Ele refutou a lei da matemática ao alimentar 
5000 pessoas com somente cinco pães e dois peixes;

Em medicina, curou os enfermos e os cegos sem 
administrar nenhum medicamento;


A história é contada antes DELE e depois DELE, 
Ele é o PRINCÍPIO e o FIM;
Ele foi chamado Maravilhoso, Conselheiro, o Príncipe da Paz, 
o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores;


Na religião, Ele disse que ninguém vem ao Pai senão por Ele,
Ele é o único caminho;


Então... Quem é Ele? Ele é Jesus.
O maior homem da história!




Ele não tinha servos, e chamavam-no Senhor, 
sem estudos, e chamavam-no Mestre;

Ele não ganhou batalhas militares e, no entanto,
Ele conquistou o mundo, 

Ele não cometeu nenhum delito, e no entanto foi crucificado.


Foi enterrado numa tumba, e no entanto, Ele vive!!!

Sinto-me honrado em servi-lo, como meu Salvador e Senhor.
Gostaria de o conhecer como seu Salvador e Senhor pessoal?

Se sim, pode fazer esta Oração de entrega e conversão:

Senhor Deus...
Senhor Deus, eu reconheço que sou pecador e que por isso o Senhor Jesus veio morrer na cruz do calvário por mim e derramou o seu precioso sangue para purificar-me de todos os meus pecados.

Eu desejo muito receber o perdão que me ofereces através da sua morte, e peço que o Senhor Jesus entre agora na minha vida e me dê a Vida Eterna.

Peço que Jesus faça morada no meu coração e seja meu Rei, meu Senhor e meu Salvador. 

De hoje em diante eu não quero ser mais controlado pelo pecado, mas quero seguir-te a Ti todos os dias da minha vida.

Por isso eu oro assim, no nome precioso e santo de Jesus, amém.

Se tomou uma decisão para Cristo depois de ter lido este post e fez esta oração, envie-me um email se faz favor para eu orar por si. 

Memorize o versiculo em baixo e cite-o na sua oração esta noite, antes de se deitar:

João 3:16 Porque Deus amou o mundo, de tal maneira, que deu o seu Filho unigénito para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a Vida Eterna. 

Se gostou, passe esta mensagem a outros.












quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O Homem de Papelão e o Mundo de Ferro

Um Romance sobre o Livro do Apocalipse

Dedica o autor a todos os que sofrem sob o domínio de um dos maiores problemas da sociedade, A POBREZA.

ÍNDICE                                                                                                                                           
1.   O DESTINO DE CLÁUDIO E DE CLARA
2.   OS POBRES SÃO MAIS NOBRES DO QUE OS RICOS
3.   O AMOR ENTRE CLÁUDIO E CLARA CORRE PERIGO           
4.   JUSTINO É O JUSTICEIRO DOS POBRES                                    
5.   O SONHO PROFÉTICO DE CLÁUDIO NA PRISÃO                       
6.   O DISCURSO DE GABRIEL  SOBRE O FIM DO MUNDO            
7.   A LUTA DE JUSTINO EM DEFESA DOS POBRES                      
8.   OS GRANDES PROCURAM DAR CABO DE JUSTINO               
9.   GABRIEL PEDE A JUSTINO PARA VISITAR CLÁUDIO                
10. A BATALHA ENTRE AS FORÇAS DO MAL E DO BEM               
11. O PADRE JUSTINO LIBERTA CLÁUDIO DA PRISÃO                   
12. O MUNDO DE FERRO DA BESTA DO APOCALIPSE                   
13. O MAL DÁ UM SENTIDO CONFUSO AO NOSSO MUNDO        
14. MAS O SENTIDO DESTE MUNDO DE FERRO É PERFEITO         
CONCLUSÃO                                                                                           

PREFÁCIO

Sabendo que as pessoas andam mais preocupadas com os problemas humanos do que com os problemas de carácter espiritual, eu procurei inserir alguns valores do Evangelho, o mais discretamente possível, no contexto de uma história verdadeiramente humana - a história de Cláudio e Clara. Espero que, abordando a questão desta forma, os leitores se sintam mais motivados para ler o livro até ao fim este romance sobre o livro do Apocalipse

Como já ficou explícito, este livro é dedicado "A todos os que sofrem sob o domínio de um dos maiores problemas da sociedade, A POBREZA".

Acho que não é muito difícil compreender as razões desta dedicação, quando pensamos nos milhões de pessoas que sofrem diariamente, no nosso planeta,  debaixo dos terríveis efeitos da exploração, do abuso, da violência, da guerra, da doença e da fome e vivem privados dos benefícios da Educação e do Evangelho de Cristo. Este livro é dedicado a todo o tipo de POBREZA. Se o prezado leitor está sofrendo por qualquer razão ou está diante de uma situação limite que o atormenta, leia este livro. Foi escrito a pensar em si.

Embora a classe rica seja apresentada neste livro como culpada pela existência de um certo tipo de POBREZA, eu gostaria de dedicar todo o meu apreço às pessoas da alta sociedade que vivem sóbria, justa e piamente neste presente século, renunciando à impiedade e à avareza humana. (a)   O Padre Justino, da nossa história, é uma homenagem a todos os justiceiros dos meninos de papelão e o mundo de ferro. Viriato dos Santos Martins

(a) Tito 2:12

CAPÍTULO 1


O DESTINO DE CLÁUDIO E DE CLARA

O sonho de Cláudio e Clara é ter uma casita

      Mas que miserável sou eu! - exclama Cláudio consigo mesmo, pensando na sua terna e amada Clara. - Como gostaria de lhe dar um futuro digno e vê-la feliz sem faltar-lhe nada.
      Mas aqui neste país é assim – continua a falar, em voz alta, enquanto esfrega o queixo. – Eles têm tudo nas mãos.
      Cláudio vivia com os pais e a irmã. Eles tinham levado uma vida dura já desde o tempo dos seus antepassados. Há muitas gerações que  a sua família, e muitas outras, trabalha para meia dúzia de tubarões viverem em lindas mansões, andarem em viaturas luxuosas e fazerem grandes banquetes. Isto tudo à custa deles! 
      “Tanto suor derramado e continuamos na penúria” - pensa Cláudio.
      Mas o verdadeiro drama começa naquela noite pesarosa, quando a senhora  Zulmira e o marido, o senhor Vilas, entram emproados na barraca de madeira, já meia de lado com o telhado a cair, atacando os pais de Cláudio com palavras furibundas:
      A partir de amanhã não os queremos ver mais aqui. Estamos fartos. Já foram avisados, não foram? -  dispara a Zulmira toda avinagrada. Ela mandava em todos. Até no marido!
      Senhora Zulmira - diz  o pai de Cláudio, o Constâncio, a gaguejar, com os lábios cerrados até ficarem em sangue. - Não temos para onde ir ... já  reparou bem com um filho e uma filha doente ... já pedi uma entrevista ao senhor Presidente da Câmara ... mas ...
      Mas o quê - diz o Vilas, espumando de raiva. - Façam é favor de arrumarem as malas ... antes que eu perca a cabeça.
      E, virando as costas, eles deixam a barraca a praguejar.
      Constância, tremendo de medo dos pés à cabeça, só tem tempo de murmurar baixinho. - Eles falam como se fossem os explorados ... e estão ricos à nossa custa ... já não basta o que nos roubaram!?
      Cláudio, sentado no canto da sala, lembra-se que já tinha visto a Zulmira e o marido a falar em segredo com o patrão da sua amada Clara, o senhor Fortunato.
      Ele vai buscar  Clara ao emprego, e diz-lhe logo mal a vê. - Clara, a senhora Zulmira e o Vilas foram ontem à noite a nossa casa. Eu acho que o teu patrão Fortunato e o filho Lucílio estão a negociar com eles o terreno onde o meus pais têm a barraca.
      Não te preocupes Cláudio - diz Clara. - Os teus pais vão arranjar outra barraca e quem sabe se não terá mais um quartinho e nos podemos arrumar – diz ela em tom sonhador.
      Um quartinho! - exclama ele, como se ela lhe estivesse a falar dum palácio. - Alguma vez na vida terei um quartinho para te oferecer?
      Clara ri-se com a resposta. Ela era alegre e vivia contente. Havia uma grande diferença entre ela e a Zulmira, pois a ambição de Clara era ter uma casita, mas à senhora Zulmira nem todas as pérolas do mundo a contentavam.
      Cláudio embora fosse jovial, deixava-se ir abaixo com os problemas. Ele era um rapaz que não se metia em brigas e estava disposto a dar a camisa a quem precisasse. Tocava guitarra e cantava muito bem e se não fosse o medo de vender a dignidade ao diabo ele até já se tinha lançado à procura de uma oportunidade para se tornar num cantor conhecido.
      Clara era dotada de uma beleza rara que se realçava apesar dos pobres trajes que vestia. Parecia que ela vinha de uma linhagem nobre. Quem sabe se os antepassados ao passarem por  uma grande aflição não tiveram de vender o brazão a algum burguês daquele tempo! De cabelos  escuros e tinha uns olhos lindos que pareciam esconder um mistério qualquer. Mas mais impressionante que a beleza física era a pureza da alma que transparecia do seu olhar misterioso.
      A sua beleza era um problema, pois o patrão que já estava farto das noitadas com a Zulmira que era um grande adúltera, apaixonou-se por ela e a assediava dia e noite, prometendo dar-lhe tudo.
      A Clara que venha ao escritório - diz o senhor Fortunato ao filho Lucílio que também estava morrendo de desejos por Clara. Se o pai soubesse matava-o!
      Mal Clara entra no escritório o senhor Fortunato, sem se poder conter, atira-se para cima dela, rasgando-lhe a blusa e tentando afagar os seus seios.  A coitada desesperada da-lhe um grande safanão e consegue soltar-se por um triz e sair do escritório a correr.
      Mas não era só o senhor Fortunato e o Lucílio que andava  atrás de Clara. Havia outra fera que a espreitava do seu esconderijo, onde já tinha desgraçado tantas almas que ali vinham em busca de perdão. Era o Padre Pontes que rezava todos os dias para Clara vir ao confessionário, mas ela como que pressentindo há muito que não botava lá o pé.


CAPÍTULO 2

OS POBRES SÃO MAIS NOBRES DO QUE OS RICOS

Cláudio reconhece que necessita de Deus

      Entretanto, Cláudio não para de pensar naquela noite tão pavorosa e humilhante.  A imagem do pai, envergonhado, sem se atrever a levantar o queixo, não lhe larga a mente. E da mãe toda contorcida de dor no canto da saleta.
      Naquela noite gelada, de volta para casa, as imagens bailam na sua mente. Ainda se lembra daquele momento em que ele saiu da barraca com o sangue a ferver e a cuspir palavras de raiva para o ar. Ao pensar nisto o peito estalava-lhe de dor e as lágrimas escorriam-lhe até ao chão.
      Ao ver a gentalha da noite parada nas esquinas, uns à espera da droga, outros de um cliente, ele pensa no que terá acontecido àqueles farrapos humanos para virem parar ali. - Eles não vieram parar aqui porque quiseram, ao contrário do que muita gente pensa - reflecte Claudio.
      Ao reflectir nisso, um grito solta-se do seu peito e sobe até ao céu – responde-me, que mal te fizemos – mas o céu fica impávido e não lhe responde. Faz-se um silêncio absoluto à sua volta.- 
      Não respondes? Não é nada contigo? Ah! Preferes que eu perca a vontade de viver e vá parar naquela sujeira!
      Então, neste mesmo instante uma voz chama-o “Claudio” - parecia uma voz do outro mundo.
      O quê, parece que ouvi alguém a chamar-me? - balbucia ele, enquanto abranda a passada e o sangue arrefece-lhe nas veias. Perplexo ele pergunta. - Quem és tu a chamar-me?
      Mas o firmamento continua silencioso, não lhe responde, e nisto ele compreende que é a voz da sua consciência a chamar-lhe.
      Então ele decide voltar para casa e mal chega deita-se e dorme profundamente.
      No outro dia ao acordar, com a voz da consciência ainda a pesar-lhe na sua mente, ele decide ir à Igreja. - Não é neste lugar santo que ensinam a amar o próximo! – pensa ele esperançado parado à porta do templo. - Talvez, o senhor Padre interceda a nosso favor.
      Ele hesita, antes de entrar. A missa já tinha começado e os senhores, deviam lá estar, de certeza , assentados à frente - pensa ele.
      Ganhando coragem, enche o peito e entra
      O padre está tão pachorrento! – murmura entre os dentes.
      E o Sacerdote, que já não está sozinho, arrastando a voz, vai dizendo: Cá em baixo - e olha para as pessoas em baixo. - Voçês devem sofrer com resignação, pois é isso que Deus quer – e, apontando para cima. - Lá no céu receberão a justa recompensa.
      Paciência! Terão que ter muita paciência mesmo para poderem aguentar- e, repetiu. - paciênciaaaa ... -  olhando para o vazio.
      Qualquer observador mais atento podia notar que o espírito do Padre não estava ali. Ele lia como um autómato as notas envelhecidas, mas o seu espírito  vagueava por lugares distantes.
      E eu quero adverti-los que os drogados e as prostitutas – e, em voz mais sumida, para ouvirem só os senhores assentados nos bancos da frente. - E os desempregados, serão lançados nas chamas do inferno, ao menos que os familiares piedosos venham cá pagar umas missas.
      Bandido ... – diz Cláudio baixinho.
      A senhora Zulmira e o Vilas, o senhor Fortunato e o Lucílio e o presidente da Câmara, assentados nos bancos de frente, olham com cumplicidade para o patife do Padre.
      Cláudio, ali de pé, continua a levar em cima com as bojardas vindas da boca do infiel.
      Os vadios e os vagabundos também não podem ir para o céu – diz o Padre, como se estivesse a falar para Cláudio.
      “Vadios!” - exclama mentalmente. - E tu meu patife, o que és?
      As palavras saídas da boca cruel do traidor da fé faziam Cláudio espumar de raiva. Ele ali,  a ser escorraçado ... pelo maldito do prior a quem tinha ido à procura de ajuda.
      Já vi que aqui na Igreja eu não encontro ajuda – e girando sobre os pés, ele sai da Igreja a gemer da dor causada pela língua venenosa do Padre.
      Ele não consegue dormir a noite inteira à procura de uma solução, e já de madrugada uma ideia sobe-lhe à mente.- “o  senhor Presidente da Câmara”. Ele levanta-se a correr, veste-se e sobe esperançado as escadarias da Câmara Municipal.
      Porque não me tinha eu lembrado do Senhor Presidente da Câmara! É ele que nos pode safar desta emboscada. E senão arranja-nos outra barraca - exclama ele ao entrar pela porta grande!
      Ao entrar, ele nem queria acreditar no que os seus olhos viam, pois mesmo à  frente da  porta do escritório do Presidente, encontram-se três pessoas a confidenciar qualquer coisa, baixinho,  para ninguém ouvir, olhando para os lados, desconfiados. Eles estão com um ar de quem anda a tramar qualquer coisa. 
      Ao reconhecê-los, Cláudio abaixa os olhos para o chão. 
      Ouve-se o barulho da porta. Cláudio, levantando a cabeça, vê o senhor Presidente a sair com um sorriso todo comprometido na cara.
      Que honra não era para o senhor Presidente receber o Padre Pontes, a senhora Zulmira e o senhor Fortunato.
      Entre eles não precisavam de máscaras, enquanto vão discutindo o negócio. Era tudo muito transparente. Entram para dentro do escritório e como a porta fica entreaberta, Cláudio pode vê-los a assinar os documentos sem problemas. Os cheques serão entregues em segredo! O terreno onde se encontra a barraca está finalmente negociado.
      Eles vão arruinar a vista da Igreja e a paisagem tão linda com aquele prédio monstruoso - pensa ele, enquanto matuta na soma  que o Presidente da Câmara e o senhor Padre não vão meter ao bolso com aquele negócio da china.
      Cláudio vira as costas e começa a descer as escadarias. Para quê ficar ali, o seu pedido nada vale diante do pedido da senhora Zulmira. O Presidente que ainda por cima a adorava e já a algum tempo anda à caça dela.
      A rebentar de desespero Cláudio desce com muito custo as escadarias da Câmara Municipal.
      A quem me resta agora pedir ajuda – pensa ele.
      Ajuda! - e continua. - Ajuda não, contas! Eu tenho é que pedir contas por tudo isto ... Mas a quem?!
      Ao chegar ao fundo da avenida principal  depara com uma multidão. Vê cartazes, bandeiras e ouve uma música alegre lançando para o ar um sentimento de mudança.
      Parece um comício – pensa ele.
      Cláudio decide ficar por ali. Aquela propaganda e aquela música alegre enche o ar de esperança.
      Abram alas, afastem-se, que está a chegar a esperança deste mundo – ouve-se a voz do chefe do comício.
      Toda a gente sauda e bate palmas à sua passagem. O ministro atinge finalmente a plataforma principal e, sem perder um segundo,  inicia o  discurso, começando logo por deitar por terra os seus adversários. Saem-lhe da boca para fora palavras arrogantes e sarcásticas, dizendo em alta voz e bom som que ele é única esperança deste mundo.
      Eu farei  melhor  do que todos,  para o bem deste mundo – diz ele, cuspindo algumas palavras para trás para os guarda-costas, baixinho, para ninguém ouvir.
      Cláudio aproxima-se mais um pouco para ver e nisto dá um grito horrífico. - Cruzes! - sai-lhe um berro da boca ao ver que o homem tem uns chifres de dragão.  Parece a besta do Apocalipse! Isto é um sonho, um pesadelo. Mas não, ele está ali mesmo, bem acordado.
      A besta está guardado por vários guarda-costas, parecem gorilas. O gorila do lado esquerdo acena todo vaidoso às pessoas. Um outro do lado direito ri-se, zombando descaradamente da assistência, com as gengivas todas à mostra.
      Será que Cláudio está a sonhar. O que pensa o leitor? Será isto real ou é um pesadelo! Mas afinal, será que interessa se Cláudio está a ter um pesadelo ou não!? Irá mudar alguma coisa.
      Deve ser uma banda de teatro ambulante que está a representar  – pensa Cláudio. - Mas aquele homem com chifres de dragão e aqueles gorilas metem medo!!! - exclama alto.
      Não é nenhum teatro, isto deve ser um pesadelo! - remata Claudio.
      Então,  enquanto o ministro continua a atirar ameaças para o ar, algo estranho começa-se a passar, ele sente alguém ao seu lado. Volta-se mas não vê ninguém. Olha para o outro lado.- Meu Deus, quem é esta criatura?
      Os sapatos velhos e rotos, as calças remendadas e amarradas por um cordel, um casacão queimado pelo sol e o chapéu ... o chapéu! ... Era melhor nem falar ...
-     Que misteriosa criatura - pensa ele ao dar com os olhos no velho que tinha um brilho no olhar, que parecia vir do céu.
      Será um anjo enviado para me ajudar neste pesadelo – medita ele.
      Estás com medo do ministro, rapaz? - Pergunta o velhote.
      Sim estou, não vê os seus chifres? E os gorilas à sua volta?
      Sim ... vejo ... Ele é o príncipe escolhido para governar este mundo – diz o velho.
      Os gorilas são demónios, mas o demónio que está dentro dele é o pior de todos e é o chefe – acrescenta o velho.
      Cláudio, estupefacto, procura compreender o que se está a passar à sua volta e quem é este velho.
      O velho continua a discursar, falando de coisas misteriosas que irão acontecer. Diz que o ministro tem gravado no pulso um código secreto com 13 números, que termina em  666.  Ele vai dominar o mundo, ninguém pode fazer nada sem aquele número.
      Nem ir ao multibanco, nem aceder à Internet, nem careregar o telemóvel se não conhecer aquele código.
      Agora é que Claudio já não sabe de nada, se o que está a passar é real ou é ele está mesmo a sonhar. Enquanto fala o rosto do velho fica carregado de rugas. Era um quadro fascinante. Parecia que o rosto divinal do velho ia-se tornando humano.
      Enquanto isso, a multidão foge apavorada do comício e ajunta-se à volta do velho que discursa. - Eu vim para anunciar que as coisas vão piorar. Os acordos de paz não vão servir de nada, nem as promessas de prosperidade. O mundo está caminhar a passos largos para a destruição final. Um novo absolutismo vai governar o mundo. Esta besta vai ser muito pior do que Hitler – o velho continua o discurso. - A democracia deu muita liberdade, destruiu a consciência e derrubou valores antigos. Vocês riram-se de mim, agora vão ver! Eu vou vos livrar à Besta pelo menos por mil duzentos e sessenta dias.
      As pessoas bebem as palavras do velhote, pasmados, sem compreender tudo o que ele diz.
      Quando a Besta começar a governar, os habitantes da terra vão conhecer um tempo de grande aflição como nunca houve até agora, que vai durar três anos e meio. Mas, infelizmente, os homens não vão largar as suas aldrabices, nem as suas feitiçarias, nem as suas prostituições e crimes.
-     O discurso do velho  começa a tomar um significado mais religioso, mais esclarecedor.
      A classe operária, os marginais, os órfãos, as viúvas e os da terceira idade, coitados, fugiam do comício do ministro, para o comício do velho.
      Uns diziam que o velho era Moisés. Outros diziam que era Elias. Mas para muitos aquele velho não passava de um maldito agourento a querer meter medo às pessoas com as suas profecias.
      O Presidente da Câmara, a senhora Zulmira, o Vilas, o Fortunato e Lucílio e outros da classe alta, preferiam ouvir o ministro. Então, nisto, aproveitando a ausência da ralé que fugia para ao pé do velho, começam com grandes reclamações. 
Senhor ministro aumente as horas de trabalho. - Gritavam em voz alta.
- Abaixe os salários.
- Abaixe as pensões da velhice.                                               
- Abaixo os subsídios.
O barulho vai-se tornando ensurdecedor:
- Morte aos desempregados.
- Morte aos marginais - berravam eufóricos todos numa só voz.
      Alguns levados pela euforia, totalmente fora de si, gritavam muito alto. - Que o senhor seja pior do que Mussolini- e  outros.- Que seja pior do que  Hitler– e ainda outros diziam. - Ponha esta cambada de parasitas na ordem.
      O comício, tomando um ritmo frenético, torna-se ... num verdadeiro culto ... o culto dos novos absolutistas. - Viva o ministro, abaixo os seus opositores - rugiam todos como leões numa só voz.
      O Ministro levantando o punhos fechados atira palavras de vitória para o ar.
- Viva! Viva os senhores deste mundo. Abaixo os canalhas.
      Entretanto, o comício do velho termina e ele diz - Cláudio, amanhã ... voçês vão ser lançados fora - e desaparece como se fosse invísivel.
      Cláudio, acorda sobressaltado, salta da cama. - Mas o que se passou,  era um sonho ou realidade - ele ouve um  barulho, chama pelo pai que vai a correr para a gaveta e tira um revólver antigo.  Bala atrás de bala ele enche o tambor,  falando entre os dentes. - Só morto. Eu bem avisei-os ... terão que me dar uma outra barraca primeiro.
      Cláudio espreita por um buraco e vê um tanque de guerra mesmo à frente da porta.  Em cima do monstro está a senhora Zulmira e o Vilas. Ou Cláudio está a continuar a sonhar ou ele jura que o Vilas está vestido com roupa de nazi, embora era uma farda um pouco mais escura e um emblema diferente. 

-   “Será que eu estou ainda a sonhar” - pensa em voz alta.

      Mas isto não altera nada, o tanque está ali. - A farda nazi deve ser para nos intimidar.
      Mas não existe tanque nenhum, o casal está em cima de uma escavadora que o Presidente da Câmara lhes tinha simpaticamente emprestado, para fazerem aquele trabalho. O tanque, a farda nazi, o bigode a Hitler do Vilas só existe na cabeça de Cláudio.
      Cláudio grita pelo pai, que vem logo a correr de arma em punho.  Constâncio ao vê-los em cima da escavadora, mesmo em frente da  porta, sai da barraca e começa a ameaçá-los.
- Não, não façam isso, vamos lá negociar, eu não quero disparar. - Mas o tanque de guerra dispara uma bojarda e leva a barraca  toda pelo ar. Paredes, telhado e a família de Cláudio.
      Constâncio, levantando-se, meio tonto, pega na pistola caída.
      Os monstros riem enlouquecidos, preparando-se para dar mais uma pazadada.
      Nisto, Constâncio, ao dar um passo atrás, tropeça e fica estatelado no meio dos escombros da barraca, mas, ao cair, pressiona o gatilho do revólver. Ouve-se o barulho de um disparo e o Vilas com o coração perfurado ao meio e o sangue a jorrar-lhe da boca, tomba por terra à frente das enormes lagartixas de ferro que passas por cima do cadáver. Ouvem-se os ossos a estalarem em fanicos e o barulho da carne a estourar.  Não se pode distinguir o corpo amassado do Vilas do pó avermelhado da terra.
      A senhora Zulmira, aterrorizada, tenta descer à pressa da máquina é apanhada pela enorme pá e içada para o ar. A gente do bairro, acordada pelo barulho está ali toda a admirar o espectáculo: o Vilas, em baixo, amassado como uma folha de papel e a senhora Zulmira, em cima, a espernear-se toda com os vestidos no ar.
       Não se fala doutra coisa na cidade. Os advogados da Zulmira que tiveram logo uma entrevista com o Ministro lixaram o Constâncio que é logo levado para a prisão e o  desgraçado apanhou prisão perpétua e vá lá terem-no deixado com vida.
CAPÍTULO 3
O AMOR ENTRE CLÁUDIO E CLARA CORRE PERIGO

A luta brava entre Cláudio e Lucílio


      Cláudio, a mãe e a irmã Dores ficam desalojadas, sem saber o que fazer.  Eles não pediram guarida a Clara, pois a família de Clara já tinha problemas a mais.  O irmão de Clara, o Afonso, era atrasado mental, pois os malandros dos médicos trocaram uma grande final de futebol pelo seu parto. A  mãe clamava por ajuda com o bebé quase a sair, as enfermeiras não querendo chatear os médicos fecharam a porta e continuaram com as suas conversas picantes. No final da partida os médicos e as enfermeiras lá foram a correr pelos corredores abaixo, para a sala das urgências, mas era tarde demais. O Afonso que já não respirava a alguns minutos, é tirado à  pressa e a mãe ainda teve que ouvir uma chuva de asneiradas lançada contra ela, como se fosse a culpada daquele drama.
      A dona Marta trabalha que nem uma escrava na fábrica do Senhor Fortunato. Constantemente ameaçada de perder emprego era obrigada  a trabalhar doze horas por dia, mas, nem oito horas lhe pagavam!  O desgosto do Afonso e as horas a fio a trabalhar sem parar, acabaram com ela e com quarenta e cinco quilos caiu de cama e morreu.
      A mãe e a irmã de Cláudio são enviadas para um asilo. Ali presas não podiam ir pedir esmola pelas as ruas da cidade e ninguém podia mandar bocas ao governo.
       Cláudio foi viver para o hotel Estrela em companhia de alguns mendigos famintos que não tinham outro lar.
      A Dores, irmã de Cláudio, não aguentando mais os dissabores da vida também morreu. Nunca ninguém ouviu sair uma queixa da sua boca. Alguns velhinhos do asilo, assombrados, juravam que viram um anjo assentado junto dela naquela manhã ao pôr do sol, certamente à espera do seu último suspiro para a levarem para o paraíso.
      Entretanto, a vida continuava. O Senhor Fortunato oferece um bom trabalho ao pai de Clara. Cuidar da quinta onde moravam. Mas ele não fez aquilo por caridade! Isto fazia parte de um plano diabólico para afastar Clara de Cláudio.  O Senhor Fortunato tinha decidido entregar Clara a Lucílio que doido por ela, até andava doente
      A vida de família de Clara começou a mudar muito.  Eles recebiam tudo dos patrões.
      Clara é obrigada a estudar e a vestir-se luxuosamente. A sua beleza é realçada pelos luxuosos vestidos que ela veste contra a sua vontade. Ela ainda o vê algumas vezes, ao passar dentro do Jaguar, mas ele virava a cara envergonhado. Mal sabia ele que Clara nunca trocaria o amor que sentia por ele por todo aquele luxo!
      Lucílio começa a cortejá-la, mas ela não lhe liga nenhuma. Ele ainda fica mais doente ao notar a indiferença dela.
-     Ela será minha meu pai.
-     Pois será meu filho ... espera mais um pouco e verás se a riqueza não lhe sobe à cabeça ... ela não vai resistir a tantos presentes ... vais ver, vais ver meu filho  - dizia-lhe o pai. - Olha aqui, toma lá. - E entrega-lhe mais um cheque, avultado.
Era um cheque de trinta mil contos, para Lucílio oferecer-lhe um carro de desporto, o último grito da moda. Mal sabiam eles que Clara nunca venderia a alma nobre a nenhum Fortunato.
      Desta forma, o senhor fortunato procurava destruir a relação existente Clara e Cláudio. Eles ainda conseguem trocar alguma correspondência, mas, depois, as cartas são apanhadas e começam a ser queimadas! Clara chorando todas as noites, roga a Deus por uma intervenção divina, mas nunca mais recebe uma carta de Cláudio. 
      Cláudio também chora todas as noites ao ler as cartas antigas de Clara.
      Cláudio sabia muito bem que Lucílio era o causador de tudo aquilo.  Então, numa noite negra, sem luar, ele decide saltar o muro da quinta dos Fortunatos. Era a única forma de poder estar com Clara!
      Clara, ao ouvir o barulho da pedra a bater na janela, nem queria acreditar ao ver o rosto de Cláudio estampado no vidro. A mais de um ano que não se viam!
-     Clara, meu amor, não tens recebido as minhas cartas?
-     Não, Cláudio, eles queimam-nas todas - e prossegue nervosa -, e sabes que me estão a forçar a casar com Lucílio.  Não sei, Cláudio, se conseguirei resistir a tanta maldade!  Sinto-me a desfalecer, dia a dia - exclama ela a chorar.
      Um arrepio, gelado, percorre a espinha de Cláudio, de alto a baixo. Ele não pode conceber tal coisa. O amor entre eles é sagrado, um amor eterno que vem já desde meninos. Mas, ao olhar para ela, sente  um estranho pressentimento, a dizer-lhe que Clara nunca seria para ele.
-     Não pode ser, ela não pode casar com outro - medita ele. - Ou eu ou ninguém!
      Mas, no fundo, ele sabe que Clara não passa de um sonho. Mas ele é daqueles que lutam até ao fim, que nunca desistem, que nunca deixam de sonhar. Ele sabe que os sonhos não acabam nesta vida.
-     Foge comigo, Clara? - sussurra-lhe à meia voz.
-     O meu pai apanha-me logo. Ele já vendeu a alma ao diabo, ele gosta muito desta vida fácil e confortável - Diz-lhe Clara a soluçar.
      A porta abre-se de repente e Lucílio aparece. Cláudio fica imobilizado diante daquela figura horrível, não sabendo o que fazer por um momento. Lucílio, que anda doente por causa de Clara, magríssimo, com grandes olheiras e com o cabelo todo despenteado parece mesmo um demónio.
      Clara  exclama assustada:
-     Cláudio! Eles não vão perdoar o teu atrevimento, foge para longe de mim... não voltes mais, esquece-me ...
Lucílio, ignorando as palavras de Clara, começa a insultar a Cláudio.
-     Seu maltrapilho, como se atreve a vir incomodar a menina? Não tem olhos para ver que a menina já não é a mesma?  A menina não pertence mais à sua classe desprezível. O quê que lhe poder oferecer o filho de um criminoso?
      Cláudio atira-se contra Lucílio, jogando-o por terra.  Inicia-se uma pancadaria brava entre os dois ... chove bordoada por todos os lados, deitam tudo abaixo, cadeiras, mesas, ornamentos. Clara, branca como a cal, desmaia e cai por terra.
      Cláudio sentindo que tinha ido longe demais decide que é melhor fugir, mas, naquele preciso momento aparece o pai de Clara e mais dois criados que dando-lhe  uns bons murros e pontapés conseguem-no imobilizar.
      Ele é logo levado para o calabouço e julgado de imediato. Os juizes o condenam a oito anos de prisão, por tentativa de violação.

CAPÍTULO 4
JUSTINO É O JUSTICEIRO DOS POBRES

Justino o servo de Deus


      As coisas vão de mal a pior no mundo. Acordos de paz falhados. O terrorismo aumenta. Raptos e as violações tornam-se o prato do dia. A ameaça de uma guerra química e bacteriológica cresce. Catástrofes naturais destroem tudo à volta. Asteróides gigantes ameaçam sair das órbitas. E, no meio desta situação caótica, as promessas paradisíacas dos governantes caem por água abaixo,  gerando-se um clima de terror na terra. Os cientistas prevêm acontecimentos que podem destruir a vida do globo terrestre, enquanto os estadistas fingem que não é nada, mas, no fundo, eles sabem que as previsões dos cientistas estão certas.
      Cláudio está na prisão a mais de um ano.  Ele nunca mais ouviu falar de Clara. Só ela poderia testemunhar da sua inocência. O terror que se ia instalando, por todo o mundo, fazia-o lembrar as palavras do velhote:  “o  ... “. Ele nunca chegou a saber se aquilo foi um sonho ou foi real!
-     Se foi real, o velhote era um profeta - pensa Cláudio. - Ou era um anjo.
      Mas, mesmo no meio deste inferno, os insaciáveis barões do século XXI continuavam afanosamente a roubar os operários e agricultores. O futuro aterrorizador, não era suficiente para despertar-lhes o temor de Deus e o respeito pelo trabalho humano.
      Entretanto, os chefes prisionais deixaram Cláudio matricular-se numa universidade da cidade, devido ao seu bom comportamento.
      Ele tinha feito um voto ao começar o seu curso de Direito: “defender o direito dos pobres com unhas e dentes”.
      Entretanto, aconteceu algo que sacudiu toda a cidade.
      O pároco da Igreja mudou. Veio um outro homenzinho para o lugar dele e a mensagem e as obras da Igreja também mudaram.
      O novo pároco, baixinho e de fraca aparência, não precisou de tempo para se instalar, pois não trazia nem uma peça de roupa com ele. Lançando as mãos à obra, começou logo a propagar o amor de Deus pela cidade e pelo campo. Não cobrava um centavo pelos seus serviços e ajudava a toda a gente. Ele tinha tomado a decisão de viver humildemente, como o Seu Senhor, já desde criança. Por isso, preferia antes comer com os velhinhos no asilo do que andar metido em grandes jantaradas com os outros párocos. O pátio da Igreja enchia-se de pessoas, todos os dias, que vinham à sua procura, na esperança de receberem algum alimento ou uma palavra de conforto. Ele odiava o confessionário, dizendo às pessoas para se confessarem directamente a Deus.  Ele não se sentia mais do que um conselheiro amigo, cujo o trabalho limitava-se a ajudar o penitente a encontrar o perdão de Deus e o atribulado a buscar o Seu conforto.
      A vida límpida do novo padre gerou um grande reboliço na cidade.  Os grandes não estavam a gostar nada daquilo.  Eles queriam era um padre igual ao anterior.  Arrogante e explorador! Por essa razão, chegavam queixas atrás de queixas, contra o padre, ao luxuoso casarão do Bispo.
      Mas o pior de tudo, para os grandalhões, eram as prédicas do humilde servidor de Deus. Ele pregava o amor e a justiça divina e, como bem podemos imaginar, a gente fidalga não gosta nada de ouvir falar de amor e de justiça! As pregações do humilde homenzinho roía-lhes a consciência e fazia-os estremecer de pavor.(b)

a)   As pragas apocalípticas encontram-se em Apocalipse 6 a 19.
b)   Félix e Drusila  e a pregação de Paulo Actos 24:24,25
CAPÍTULO  5
O SONHO PROFÉTICO DE CLÁUDIO NA PRISÃO
Um sonho profético sobre a futura sociedade


      Enquanto isto, na cadeia, Cláudio recebeu a triste notícia do internamento da sua mãe num hospital de malucos. Contaram-lhe que como ela andava pelas ruas, mendigando, estouvada de toda, levaram-na para o hospital psiquiátrico.
      Alguém que a viu no hospital, disse a Cláudio, que a sua mãe parecia mais um farrapo do que um ser humano. Cláudio ficou doido de dor ao saber disso. Eles iriam pagar bem caro. A imagem daquela que o deu à luz, cruelmente maltratada, aumentava dentro dele a fome de justiça. Ele também não sabia nada do paradeiro do seu pai. Poderia estar  vivo, no degredo ou morto!
      Passaram-se três anos. Clara continuava a viver na casa dos Fortunatos. Eles faziam tudo para a linda menina se tornar alguém. Cláudio já tinha tomado a decisão de esquecer Clara, pois pensava que ela já devia estar casada com Lucílio.
      Então, naquela tarde sombria, dominado por um estranho sentimento, ele foi sentar-se no pátio da prisão a pensar e, sem dar por ela, adormeceu e o seu sonho profético começou  ...
      Sonhou que estava de pé numa nuvem negra e espessa que servia de telhado a uma cidade de ferro. Ele nunca tinha visto uma cidade assim. A luz do sol não era capaz de atravessar aquela nuvem, tal era a sua negrura e espessura. Os homens daquela cidade viviam mergulhados nas trevas, privados da luz do sol (a)
      Os primeiros humanos que Cláudio viu, eram alguns operários que trabalhavam ao toque de música. O trabalho deles era puxar lentamente umas correntes ligadas a uns mecanismos gigantes, que produziam a energia necessária para fazer funcionar as grandes fábricas e os grandes espaços comerciais daquele mundo de ferro.
      Cláudio notou que em cima de uma plataforma, havia um grupo musical ligado a um enorme computador. Os músicos mascarados de bruxas e de feiticeiros davam, com as suas músicas endiabradas, o ritmo ao trabalho. Fazia lembrar o barulho dos tambores das galés.
      Era de arrepiar ouvir os operários a cantar e a trabalhar, suplicando por mais trabalho. - Caramba. – Pensou Cláudio -, como é isto possível!
      Era um espectáculo horripilante!
      E como tudo é permitido no mundo dos sonhos, Cláudio tornou-se omnisciente. Ele reparou que aqueles homens tinham sido submetidos a uma transplantação cerebral. Tinham-lhes arrancado o cérebro da cabeça e colocado um engenho electrónico no lugar. Eram pessoas com um corpo humano e um cérebro de metal.
      Cláudio, olhava meio aparvalhado para tudo aquilo, calculando os lucros fabulosos que ganhavam os donos daquele mundo. A mão-de-obra estava finalmente a preço de saldo.
      Resolvendo dar mais alguns passos sobre a nuvem negra, ele reparou numa escada muito estreita que descia até àquela sinistra cidade.
      Cláudio ainda não tinha visto nada!  Agora é que o seu sonho iria começar!
      A primeira coisa que viu lá em baixo, ao espreitar pela montra de uma casa, o deixou completamente estarrecido. Homens com órgãos femininos e mulheres com órgãos masculinos desfilavam diante dos clientes que ali se encontravam ávidos de prazer. Uma equipe de cientistas, a título de experiência, mudavam os órgãos destas pessoas em escassos minutos, utilizando aparelhos altamente sofisticados. Ao lado, havia uma estação de ambulâncias voadoras, que levavam os doentes que eram fulminados por doenças desconhecidas, cem vezes piores do que a SIDA, resultantes de um grau muito avançado da perversão da natureza humana.
      Cláudio, reparando num grande edifício mesmo à sua frente, aproximou-se, puxando pela sua imaginação, a ver se descobria o que poderia ser aquilo agora.
      Ele já tinha ouvido falar, mas o que viu  era demasiado para um ser humano como ele. Ele via seres, com órgãos de homens e órgãos de animais enxertados uns nos outros, sem qualquer sombra de respeito pela vida. No fundo do salão havia alguns homens todos vestidos de branco.
-     Devem ser os cirurgiões responsáveis por todas estas aberrações - meditava ele em sua alma mutilada.
      Os cientistas voltaram-se para Cláudio, como se tivessem lido os seus pensamentos. Cláudio, horrorizado, segurou-se no corrimão das escadas para não cair, ao ver as suas cabeças metálicas, lisas ... com umas luzinhas vermelhas piscando, no lugar dos olhos.
      Estes cientistas, depois de degolados, levavam com um computador no lugar da cabeça. Esta  operação era feita por robôs que trabalhavam debaixo da orientação de poderes ocultos. Os demónios forneciam-lhes  informações desconhecidas pela ciência.
      Com a ajuda dessas informações, eles eram capazes de mudar e enxertar órgãos e até podiam fundir o DNA do homem e do animal e criar novas categorias de seres. Aberrações quero dizer!
      Um dos grandes objectivos dos patrões daquele mundo era ver se podiam criar seres, sem inteligência, que finalmente trabalhassem de borla para eles. (b)
      Esses seres sem inteligência, tornavam-se também a polícia política daquela sociedade. Ligados a um Computador Central, não faziam mais do seguir as ordens dos barões e dos governantes daquele mundo de ferro. Eles estrangulavam logo quem levantasse cabelo, ao mínimo do sinal computador.
      Eles tinham um minúsculo ship dentro deles que, ao receber a ordem do Computador Central, lançava um foguetão infinitesimal  que percorria os milhares de quilómetros de tendões nervosos, músculos e vasos sanguíneos em menos de uma milionésima de segundo e eles estrangulavam até a sua própria mãe se fosse preciso.
      Os juizes da cidade também tinham levado com um ship na tola e limitavam-se a seguir as ordens do Computador Central. O seu trabalho resumia-se a dar ordens de morte imediata, caso alguém desobedecesse a um regulamento programada pelo Grande Computador. 
      Os professores também estavam programados, para ensinar estritamente o programa do Estado.  Cláudio, não encontrou muitos filósofos no seu sonho, nem cantores, nem artistas. Eram profissões perigosas para o Estado, pois criavam o descontentamento no meio do povo.  Jornalistas para quê, eram muito intrometidos! 
      Os poucos que ainda havia, trabalhavam para os velhacos.
      Os que quisessem seguir uma destas profissões, eram obrigados a levar também com um ship na cabeça. Ninguém podia fugir nem um dedo que fosse da Ideologia daquele Estado de ferro.
      Só a altíssima burguesia tinha o direito de ficar com o cérebro intacto, mas ai deles se arreganhassem o focinho contra o Estado!
      Cláudio, às tantas, olhando para dentro de um enorme salão, viu alguns vultos fazendo gestos, como se estivessem num ritual religioso. Eles falavam com alguém que Cláudio não podia ver. Colocando a sua mão na maçaneta, girando-a, ele abriu a porta e entrou. 
      O que ele viu dentro daquele salão era mesmo coisa de sonho.
      Os vultos estavam falando com demónios que eram trazidos da realidade espiritual para a realidade natural.  Os demónios não tinham forma, nem tamanho, nem ocupavam um lugar definido.
      Ele só podia ouvir as ordens que davam aos governantes e aos cientistas que ali se encontravam: - Sejam maquiavélicos, destruam tudo o que existe na terra que pertence a Deus e maltratem os pobres o mais que puderem.
      Boquiaberto, Cláudio apercebeu-se que eles já podiam trocar a alma do corpo de uma pessoa para outra, criando seres grotescos que serviam para fins muito baixos.
      Terrificado, ele veio a saber que eles até já conseguiam enxertar a alma de um demónio no corpo de um ser humano e vice-versa.
      Não era de estranhar que ele estivesse a ter um sonho tão horrendo, pois Cláudio conhecia bem os horrores descritos no livro do Apocalipse. Afinal os horrores apocalípticos serão muito piores que os horrores do seu sonho.
      Aos poucos, ele ia descobrindo uma coisa atrás da outra, cada vez pior.  Mais uns passos pelo sonho e ele apercebeu-se que as pessoas e os objectos já podiam ser teleportados através de corredores virtuais recentemente descobertos. 
      Depois de desintegrados dentro de um aparelho ultra-molecular, eram enviados de um local para outro. Um exército, com todo o seu equipamento, podia deslocar-se, num segundo, para um local afastado onde estivesse a haver uma tentativa de insurreição contra o Estado.
      Esta engenharia paranormal era fabricada pela fortíssima União dos Estados do mediterrâneo, ainda mais poderosa que o antigo Império Romano. O Imperador deste império era um homem mais potente que Augustus. 
      O seu conselho imperial tinha a sede na capital da União. Esta Grande Cidade, a “Babilónia”, era vigiada por um dispositivo de segurança nunca visto. O Grande Computador, chamado a “Besta”, instalado no Palácio do Imperador, podia seguir rigorosamente os passos de cada habitante do planeta.
      Ninguém podia piar contra a ideologia do Estado, pois era logo caçado pelo Grande Computador e estrangulado imediatamente. Os passos e os pensamentos das pessoas logo detectados, viajando pelos corredores virtuais, eram introduzidos no terminal da “Besta”. A directoria secreta da “Besta” iniciava com o número 666.
      O material que armazenava a informação da “Besta”, era feito de uma substância neutra, que não era física nem espiritual. Estes novos  ships virtuais que eram milhões de vezes mais pequenos do que os da idade da electrónica, tinham a capacidade para armazenar milhões de vezes mais informação e de serem processados e comunicados a uma velocidade milhões de vezes mais rápida.
      Ele veio a saber também que o estudo sobre Fenomenologia deixou praticamente de existir, pois o mundo sobrenatural já era conhecido através de uma aparelhagem muito sofisticada.
      A única área da Fenomenologia que ainda se encontrava em discussão era a “origem da vida” e a “natureza de Deus”! Os robôs e os cientistas, com a ajuda dos demónios, tentavam conhecer a origem da vida e descobrir a natureza de Deus.
      Cláudio, podia ouvi-los a conversar  naquele salão:
-     Os elementos já estão completos? - Perguntava um.
-     Sim estão, mas vamos conferi-los: água, oxigénio, carbono ... e os outros componentes - informava por telepatia um dos cabeça-metálica -, Diodromaníaco, Iodromaníaco, Aiodromaníaco, Biodromaníaco e Oiodromaníaco ... também estão completos.
      Mas não deu resultado!
-     Arre! Vou repetir a experiência - disse o chefe do departamento.
-     Desta vez vai dar, chefe - encorajava-o um dos demónios.
      Mas não deu resultado também.
-     Ah! Oh! Eia! Upa! Viva! gritou Cláudio, partindo disparado pela parede fora.
-     Safa! Parece que não vamos conseguir. - Murmurou o chefe entre dentes.
-     Descobrirem a origem da vida é que nunca conseguirão ... isto só a Deus pertence. Os Homens e o Diabo são uns ignorantes - gritava Cláudio, com o punho fechado,  fugindo a toda a mecha daquele lugar. O seu sonho estava a chegar ao fim.
      Ele corria a toda a pressa em direcção à escada, para subir para a nuvem negra, quando viu um grande Palácio mesmo à sua frente.
-     Mas que luxaria! ... Quem será que vive ali?
      Decidido, ele entrou e aproximou-se do salão principal. Parecia que estava a decorrer uma reunião muito importante.
      Assentado num grande trono, vermelho escuro, coberto de pedras preciosas, estava um homem que tinha aspecto de quem queria parecer igual a Deus.(c)
-     Mas que vaidoso! - Exclamou Cláudio.
      Da enormidade da sua boca saiam injúrias e blasfémias que só podiam ser oriundas do inferno. Ele não precisava de alto-falante, pois tinha um vozeirão de dragão.
      Cláudio reparou que a Besta estava dando uma entrevista e todo o mundo podia vê-lo através de imagens comunicadas virtualmente. 
      Não importava onde as pessoas estavam, na cidade ou no campo, em casa ou na rua, ou mesmo na casa de banho, a comunicação atingia todos os pontos do planeta. Toda gente o via e o ouvia. 
      As imagens apareciam pura e simplesmente penduradas no ar, conforme o local onde a pessoa estava e o vozeirão da Besta vindo do vazio as atingia. A Besta tornava-se assim omnipresente e podia estar ao lado de cada pessoa do planeta.
      Todo o mundo podia ouvir as suas promessas mentirosas.
-     Tão diferentes são das promessas do carpinteiro de Nazaré - reflectia Cláudio.
-     Eu prometo rios de paz e de justiça... para todos ... ricos e pobres.
-     Eu prometo punir severamente os autores da exploração do homem pelo homem. - E olhando para os seus capangas, com os olhos carregados de zombaria, ele deu uma enorme gargalhada.
-     Não tenham medo de seguir o programa do Estado, só ganham com isto! Não tenham medo de serem marcados pelo meu número secreto ... no meio da testa - berrava ele -, só assim estarão seguros e poderão ter sucesso nos vossos negócios.(d) 
      Neste número está a chave de toda a ciência e de todo o sucesso político e económico.
      O número 666 era-lhes digitado no meio da testa, incorporado numa banda secreta, impossível de ser decifrada, que estava em contacto permanente com os satélites auxiliares do Grande Computador 666. Desta forma, os que eram marcados pela Besta, perdiam a sua liberdade.
      A Besta, apresentava-se ao mundo como o divino Caesar Augustus, o Digníssimo Imperator, salvador do Imperium, mas tinha que se contentar com o número 6,  pois o 7, o número perfeito, só pertence a Deus. (e)
      Cláudio, horrorizado, não conseguiu suportar mais a enxurrada de aldrabices que saía daquelas malditas trombas e decidiu regressar do seu sonho, subindo para cima da nuvem negra.
-     O Salvador do mundo não é a Besta que governa este mundo de
ferro,  tenho a certeza – exclamava Cláudio, olhando para baixo, aliviado, quando pisava o último degrau da escada que o levou de
novo para cima da nuvem negra. Ao acabar de pronunciar isto, já em cima da nuvem, Cláudio levantou os olhos para o alto e, maravilhado, viu descer uma multidão de anjos montados em cavalos brancos, chamejantes, vestidos de vestes douradas, resplandecentes.
      À frente deste exército vinha o Rei dos Reis.
-     É o exército celestial comandado pelo Rei dos Reis, é o fim do reino da Besta - dizia Cláudio, lembrando-se do discurso de Gabriel.
      Jesus Cristo vinha à frente daquele grande exército, num carro dourado, puxado por cavalos mais brancos do que a neve, com uma espada de cobre, brilhante, desembainhada.
      A santidade que reluzia do rosto Dele, era oposta à corrupção que jorrava do rosto da Besta.
      A Sua voz era forte, como a da Besta, mas soava como o barulho das águas ao cair de uma cascata de águas cristalinas.
      Os exércitos celestiais lutavam contra os exércitos de ferro e de demónios comandados pela Besta. Nisto, houve um silêncio de meia hora. A seguir a este silêncio de morte, o Rei dos Reis pronunciou a sentença final.
      Então, a Besta e os exércitos que o seguiam, foram agarrados e lançados vivos, aos guinchos, no incandescente lago de fogo.(f)
-     Até que enfim, é o fim deles! - exclamava Cláudio. - Mas, surpreendido, ele via que o fogo que saía do rosto de Deus os abrasava, mas não os consumia.
      Cumpria-se exactamente o que a Bíblia diz, eles rangeriam os dentes, cheios de remorsos, por toda a eternidade. (g)
-     Enquanto estavam na terra, fazendo o mal, pensavam que ninguém lhes pediria contas pela sua maldade! – Reflectia Cláudio.
      E, enquanto a Besta e seus exércitos e os demónios eram lançados no lago de fogo da ira de Deus, os anjos levavam os homens de papelão para o céu.
      Nisto, Cláudio, acordou sobressaltado da sua cesta, parecendo ainda ver à sua frente as labaredas do inferno.
      Um versículo lhe veio logo à mente: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho, para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a Vida Eterna". (h)
-     Obrigado, meu Deus, pelo Teu Filho, pela Sua morte, pela Sua ressurreição e pelo Seu regresso. - disse Cláudio cheio de gratidão.

(a)  S. João 3:19-21.
(b)  Filipenses 3:19
(c) II Tessalonicenses 2:4
(d) Apocalipse 13:17.
(e)  Apocalipse 13:18.
(f)    Apocalipse 19:20, 20:15
(g)   Marcos 9:42-48, Mateus 25:41
(H) S. João 3:16.

CAPÍTULO 6
O DISCURSO DE GABRIEL SOBRE O FIM DO MUNDO

Gabriel aparece a Cláudio e continua o seu discurso profético


      O sol da tarde batia-lhe em cheio no rosto e a sombra de uma pessoa conhecida se desenhava mesmo ao seu lado.
-     Gabriel!  Aqui na prisão?
-     Estou aqui para finalizar o meu discurso. - Retorquiu Gabriel, com a justiça divina estampada no seu rosto resplandecente.
-     Gabriel, tu foste o autor do meu sonho, não foste? - Perguntou-lhe Cláudio baixinho.
-     Olha, não me perguntes nada ... - interrompeu Gabriel.
      E o seu discurso, parecido com o sonho de Cláudio, continuou:
-     Conheces o provérbio que diz: “Quem ama o dinheiro, nunca se fartará dele”?
-     Mas .... - balbuciou Cláudio, assombrado.
-     Não me interrompas - disse-lhe Gabriel firmemente, retirando as palavras da boca de Cláudio -, Deus conhece as profundezas do coração do homem e sabe que não existe nada neste mundo que satisfaça a sua maldita ganância.
-     Gananciosos, não fossem eles e não haveria pobres! - resmungou Cláudio muito baixinho.
      Gabriel, dando uma risada santa, continuou o seu discurso empolgante:
-     Acordos de paz?! Direitos humanos! ... Qual quê!  Isto é tudo bazófia deles! Se calhar eles pensam que vão acabar com as guerras! E com a opressão? – e o discurso do anjo ia-se revestindo de uma linguagem humana.
-     Essa história da solidariedade social é uma farsa. Tudo o que eles fazem é por interesse. Só dão alguma coisa aos pobres para aliviarem a suas consciências carregadas de iniquidade. Quais pobres! O que eles querem é viver à grande e à francesa.
-     Vão enganar outro que a mim é que não enganam - exclamou Cláudio em voz alta.
      Gabriel, dando um outro sorriso santo, continuava:
-     Antigamente os governantes e os burgueses diziam que acreditavam em Deus. Que remédio, pois, naquela altura, toda a gente acreditava! Hoje, como ninguém já não acredita em nada ... - o discurso de Gabriel não perdoava ninguém.
-     Eu sei ... Oh! Gabriel, mas quem não ...
-     Meu filho, não me digas nada ... ouve-me com atenção, há um ditado que diz “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”  (a)
-     É verdade, se não fosse o amor ao dinheiro os meus pais ainda tinham a sua barraca. - Disse Cláudio sem poder conter-se,
-     Os ricos não olham a meios para atingirem os seus fins! A ciência está a tornar-se sócia do diabo – continuava Gabriel.
-     Quem diria! A ciência e  o diabo juntos! - disparou Cláudio.
-     A Bíblia diz que a ciência multiplicar-se-á. E, eu digo que, com o aumento da ciência e da tecnologia, a desgraça dos camponeses, dos operários, dos marginalizados e dos pobres multiplicar-se-á também.(b) -  Adiantou Gabriel.
-     E será que os cientistas descobrirão o segredo da vida como andam por aí a gabar-se, Gabriel? - Perguntou Cláudio, recordando-se do seu sonho.
-     A verdadeira essência da vida não se resume às aparências. A vida não é uma substância e muito menos um cálculo aritmético. É um dom supremo, imaterial e inefável de Deus. - E Gabriel terminou assim o seu discurso.
-     Cláudio, estás a ficar doido? - perguntou-lhe um preso ao ouvi-lo falar sozinho.
      Cláudio olhou para Gabriel, meio assombrado, e replicou:
-     Eu, sozinho ... não, estou a falar com ... - e interrompeu ao ver a figura de Gabriel mudar subitamente de aparência e desaparecer através das muralhas da prisão.

(a)  I Timóteo 6:10
(b)  Daniel 12:4
CAPÍTULO  7
A LUTA DE JUSTINO EM DEFESA DOS POBRES
Os encontros do Padre Justino na luta da vida


      Os meses corriam velozmente e Cláudio aproximava-se do final dos seus estudos de Direito.
      Ele estava sentado no bar da Universidade, quando reparou no título de uma crónica do jornal: “O Pai dos pobres em pé de guerra com o Bispo”.  Ele devorou a crónica num instante. Justino, o novo padre da cidade, era “o Pai dos pobres”. Ele denunciava abertamente as injustiças cometidas pelo Bispo, a quem chamava de “cão de guarda dos ricos” e de “raposa traiçoeira”.  Justino vinha de uma família rica, mas o cronista dizia que Justino já sofria,  desde criança, ao ver os camponeses e os operários que trabalhavam para os seus pais serem explorados e oprimidos sem dó nem piedade.  Bonifácio, um dos criados mais velhos da casa, que conhecia a bondade que reinava no coração do menino, falava-lhe, muitas vezes, de um cemitério onde os pais enterravam os trabalhadores vivos.
      Justino recebeu logo desde menino o dom divino que transformou os seus braços pequenos no ninho dos pobres. A gente daquela região chamava-o “D.Quixote dos pobres”.  Mas os pais chamavam-no “a ovelha ranhosa da família”. Não tinha conta as vezes que se ouvia a esganiçada da mãe a berrar histericamente -,  não senhor, não penses, que vais tornar esta casa num ninho dos pobres.
      Justino, tendo acabado a escola secundária, formou-se em Direito e, mais tarde, tirou o curso de Teologia. Ele denunciava veemente as
injustiças cometidas pelos senhores da terra. A sua própria família não escapava.
      Fosse onde fosse, ele citava, amiudadas vezes, sem medo, as palavras de Cristo, “É mais fácil entrar um camelo no fundo duma agulha, do que entrar um rico no Reino de Deus”. (a)
      Toda a gente, excepto a gente rica, amava Justino. Ele protegia o Capuchinho Vermelho do lobo mau e só o Zé do Telhado e o Robin dos Bosques se podiam comparar a este D.Quixote de la Mancha!
      Mal terminou os seus estudos de Direito, Justino formou o seu partido político com a ajuda de alguns dos seus amigos nobres, que temiam mais a Deus do que aos homens.
      Mas o partido não durou muito, pois a família e a maior parte dos seus amigos começaram a difamá-lo, a menina com quem ia casar o abandonou e os jornais, a rádio e a televisão enchiam os ares de acusações falsas contra  ele.
      A reputação de Justino foi enxovalhada de tal maneira,  que ele teve que abandonar o seu projecto político. Justino decidiu então seguir a carreira sacerdotal. Ele não concordava com o celibato, nem com o culto aos santinhos ou com o purgatório, mas, como sacerdote, ele poderia pelo menos continuar a lutar contra a injustiças sociais. O Sacerdote era para Justino um arauto de Deus que, para além de pregar a salvação da alma, devia lutar em favor dos pobres.
      O cronista escrevia ainda que Justino era diferente ao Padre Vieira, pois este perdia muito tempo em disputas contra os outros padres, acerca da língua portuguesa! Mas, Justino, segundo o cronista, embora não fosse um erudito da língua portuguesa, era um erudito do amor e da justiça de Deus!
      Para Justino o que interessava era ter uma boa cabeça e não uma cabeça cheia de conhecimentos. Era ter a alma cheia do amor de Deus e não os bolsos cheios.
      Justino, ao sentir-se desamparado por todos, tentou arranjar algum apoio no meio dos sacerdotes, mas foi-se apercebendo, aos poucos, que os sacerdotes gostavam muito mais do Lobo do que do Capuchinho Vermelho.
      Cláudio, olhando para o relógio, deu um salto da cadeira ao ver que tinha estado ali quase duas horas a meditar naquela crónica. Ele tinha que voltar para a prisão, senão eles eram ainda capazes de pensar que ele tinha fugido para o Brasil para se encontrar com o Foderico. Depois de ter lido aquela crónica, ele queria era encontrar-se com o padre Justino.
-     O Foderico que fique lá pelo Brasil, que em Portugal já estamos cheios deles! – pensava Cláudio de caminho para a prisão -, e, ora esta, tê-lo agora como artista principal da telenovela brasileira : “Os padres adoram tentações”, que está a passar na  TVI e a dar muita polémica nos meios religiosos e políticos .
-     Bem, ele continua a dizer que está inocente, mas não deve ser uma grande peça para andar envolvido em coisas dessas! A Igreja que os deixe é casar - meditava Cláudio ao entrar pelo portão da prisão.

a)   Mateus 19:23-24
CAPÍTULO 8
OS GRANDES PROCURAM DAR CABO DE JUSTINO

Os ricos não gostam nada da vida piedosa do Padre


      Justino acusou de novo o Bispo alcunhando-o agora de  “víbora do Ministro”.  É que o Senhor Bispo passava o tempo todo na casa do Ministro. Eles aproveitavam as partidas de xadrez para ensaiarem, às gargalhadas, o cheque mate a dar ao desgraçados dos agricultores e operários. O Bispo adorava os banquetes dados pelo Ministro em sua luxuosa residência. A seguir ao banquete, eles faziam um culto de oração dirigido pelo Bispo, onde pediam fervorosamente aos santinhos pela morte da democracia.
      Desta forma, a Igreja recomeçava a receber todo o apoio do governo. Desviavam fortunas dos cofres do Estado, para a construção de novos templos. È claro que, uma parte, ia direitinho para o bolso do Bispo. A víbora retribuía os favores ao governo, mantendo o povo mais ou menos controlado pelas as suas maquiavélicas pregações.
      O Bispo que vivia debaixo de um pesadelo, desde que Justino chegou à cidade, decidiu chamá-lo para lhe passar um sermão:
- Senhor Padre tenho aqui um saco cheio de acusações contra o senhor - disse o Bispo logo para começar.
-     Essa agora! Senhor Bispo - respondeu o padre fingindo surpresa -, diga-me lá quem são os meus acusadores.
-     Safa! não me diga que já não sabe?
-     Bem, é claro que eu sei que as minhas pregações falam muito do
amor e da justiça de Deus ... e que como e durmo no asilo e não ando lá muito bem vestido como vê ... porque ...
-     Porque quer. - Respondeu o Bispo encolerizado.
 -    Mas saiba senhor padre que o Ministro é um dos seus acusadores. O estilo de vida do senhor padre faz-lhe nervos! Ele acha que não há necessidade nenhuma para um padre ser tão fanático.  Além do mais, Justino - disse o Bispo, num tom de voz mais suave -, o estilo de vida que leva, compromete um pouco o estilo de vida, mais sofisticado, não é verdade ... do Ministro e da ... compreende?! ...
-     Compreendo, sim Senhor ... e da escumalha que o rodeia, incluindo o Senhor Bispo. Mas saiba, Senhor Bispo, que circulam por aí algumas bocas a seu respeito, que é muito amigo dos rapazes, enfim, pode estar certíssimo que vão tratá-lo da saúde.
      O Bispo engoliu em seco e Justino aproveitou, para continuar a disparar:
-     Quem ficar com um peso na consciência ao ouvir-me falar da bondade de Deus, que não ponha lá os pés! – Exclamou o padre, cheio de um furor santo.
-     Deseja Vossa Excelência fazer mais alguma acusação?
      O Bispo respirou fundo, preparando-se para um novo ataque. - Sim tenho mais uma. - Disse o Bispo, com o rabo meio metido entre as pernas.
      Espere só um momento - e a sua voz foi retomando a autoridade, como se estivesse a tirar da manga o seu último trunfo.  Abriu a porta e mandou entrar um personagem que Justino nunca tinha visto de lado algum.
-     Que personagem tão estranho - murmurou Justino mentalmente!
      O ambiente também tornou-se estranho, tenebroso, mal aquele personagem pôs os pés na sala ... Justino não sabia porquê. Só sabia que se sentia como que embruxado, sempre que os seus olhos se cruzavam com os olhos daquele personagem.
      Justino vasculhava o cérebro, à procura de dados que lhe permitissem fazer o diagnóstico daquele personagem.  O que saltava logo à vista era a sua alta estatura ... Ele era muito alto mesmo e muito magro, baloiçando como uma torre para os lados, quando andava debruçado para a frente.  Os braços compridos e as mãos horrendas, baloiçavam, desarticulados, tocando nos joelhos.   O seu rosto, longo e pálido, fazia-o parecer uma daquelas criaturas maquiavélicas dos filmes de terror. Tinha algo de sobrenatural no seu olhar e no seu sorriso.  Se Gabriel estivesse ali ao lado dele, notava-se logo a diferença entre os dois. Gabriel tinha um sorriso inocente, este personagem tinha um sorriso trocista. Gabriel tinha um olhar santo, este homem tão alto e cadavérico, que baloiçava para os lados, ao andar todo encurvado, tinha um olhar diabólico.  Eram diferentes como do dia para a noite.
-     É um advogado do diabo, aposto. - Pensou Justino, enquanto silenciosamente, no seu íntimo, clamava a Deus por socorro.
      O visitante sentou-se mesmo à frente de Justino, cruzando as suas longas pernas. Justino ao olhar para ele, arrepiou-se todo, pois ao vê-lo naquela posição, de pernas cruzadas, todo encurvado, com o longo queixo caído a tocar no peito, os braços desajeitados tombados sobre os braços do cadeirão e as faíscas demoníacas saltando do seu olhar pavoroso, parecia um autêntico demónio.
-     Não pode, ele está endemoninhado - pensava Justino.
-     O senhor padre está a dormir? - Perguntou o Bispo com um berro.
      Justino deu um pulo do fundo do seu pensamento, e respondeu:
-     Sim estou ... Não, não estou senhor Bispo ... pronto, o seu comparsa que dê inicio às suas acusações.
-     Primeiro, as apresentações. - Disse o Bispo com um sorriso vitorioso.
-     É um amigo que vive na alta esfera, compreende, das pessoas que mandam neste mundo ... e, de facto, só se desloca quando é necessário tratar de assuntos muito sérios, e o seu assunto é ...
-     Muito grave ... Senhor Bispo. Já sei. - Disse Justino cortando a palavra ao Bispo.
-     Mas, como se chama tão ilustre personagem. - Perguntou ele, engolindo saliva.
-     Lucénio.- Retorquiu o Bispo com voz tenebrosa.
-     Abrenúncio! Safa! Senhor Bispo. Mais um pouco e era Lucífer. Não
me diga que vocês já chegaram ao ponto de fazer um pacto com o diabo?!  Não me admirava nada - exclamou ele, desviando os olhos da maléfica criatura -, pois, os homens na sua ganância estão dispostos a tudo. Mas que trio diabólico não fazem  vocês, o Senhor Bispo, o Ministro e Lucénio -, rematou Justino.
-     Basta! seu filho da mãe - berrou o Bispo, simultaneamente com Lucénio, saindo da bocarra deste, um grito descomunal vindo do inferno:
-     Fora! ... Fora daqui, que a tua bondade nos cega.
      Justino levantou-se e saiu a correr pela sala fora, ameaçando-lhes:
-     Eu irei a Roma e falarei pessoalmente com o Papa ...
-     O Papa  Ah! Ah! Ah! - Ria o Bispo, descaradamente.
-     Oh! Oh! Oh! o Papa ... - ria Lucênio ao mesmo tempo, totalmente fora dele ...
-     Ah! Ah! Ah! Oh! Oh! Oh!  - riam os dois, abraçando-se, batendo com força nas costas um do outro, como tarados, descontrolados, rindo com gargalhadas sepulcrais ...
-     Ah! Oh! Ah! Oh! Ah ! Oh! Ah! ... ...
      Enquanto isso o padre Justino fugia, descendo as escadarias como um foguete, perseguido por aqueles risos endemoninhados : - Ah! Ah! Ah!.... o Papa ... Oh! Oh! Oh! ... Ele vai fazer queixas ao Papão.
CAPÍTULO 9
GABRIEL PEDE A JUSTINO PARA VISITAR CLÁUDIO

Gabriel pede ao Padre Justino para libertar Cláudio da prisão


      Justino não conseguia pregar olho naquela noite. Ajoelhando-se ao lado da cama, levantou as mãos aos céus e pediu que Deus lhe desse coragem, para continuar a sua espinhosa missão.
      Às altas horas da noite, a campainha da porta tocou.
      Justino, ainda ajoelhado, pondo-se de pé num salto, gritou. - Credo! Quem será a esta hora! Não me digas que é outra vez o advogado do diabo - meditava ele em seu coração, quando ouviu uma voz desconhecida, mas pacífica, a chamá-lo.
-     Padre Justino, não tenhas medo, abra a porta, sou eu - disse a voz do outro lado.
      Justino, devagar, muito devagarinho, abriu a porta e ao olhar para o rosto do seu visitante, caiu sem forças por terra.
-     Qu ... é ... ? - , as palavras saiam enrouquecidas da sua garganta.
-     Ouve, Justino, tem calma, eu venho por bem ...
-     Q ... é ... voc ... - continuava Justino, assombrado, ainda deitado por terra.
-     Eu sou Gabriel, mas, vá lá, levanta-te ...
-     Gabriel! Lucênio! -  Exclamava, Justino, embasbacado, procurando
encontrar um significado para aqueles nomes.                            
-     Justino, eu vim cá para te pedir um favor. É muito simples, gostaria que fosses à prisão, amanhã, e perguntasses por um jovem chamado Cláudio.
-     Mas eu não conheço nenhum jovem chamado Cláudio! - disse Justino.
-     Vai, Justino, fala com ele e liberta-o da prisão. Ele te será um bom companheiro. Olha, diz-lhe que vais da parte do Gabriel. Ele conhece-me muito bem.
      E, Justino, viu o visitante voltar-lhe as costas e partir. Os seus olhos seguiram as suas passadas. Abismado, ele juraria que Gabriel não andava com os pés no chão ...  voava ...
      No dia seguinte, Cláudio sentiu a chave a girar na fechadura. A porta abriu-se e ele deparou-se com um guarda e o padre Justino. O padre entrou e o guarda saindo, fechou a porta à chave.
-     Eu sou Justino, talvez já tenhas ouvido falar de mim?!
-     Ó padre Justino, mas quem não ouviu falar de si!  Eu tenho lido e ouvido tanta coisa linda a seu respeito e oiço falar de si na universidade.
-     Na universidade! O que estás fazendo na universidade?
-     Estudando senhor padre ... é que eu tenho uma autorização especial para terminar o meu curso de Direito.
-     Estou a ver que o teu comportamento na prisão é exemplar, mas, diz-me, Cláudio, há quanto tempo estás na prisão ?
-     Já lá vão 5 anos senhor padre.
-     Cinco anos! - Exclamou o padre surpreendido.
-     Apanhei dez anos de cadeia - completou Cláudio.
-     Ora! Quem foi a vítima?
-     Ninguém. Foram algumas calúnias ... mas, senhor padre, quem foi que o enviou cá?  A assistência social?
-     Se queres que te diga, eu nem sei lá muito bem, meu filho, mas pelo o que me parece, acho que foi a assistência celestial!  Conheces um velhote chamado Gabriel?
-     Gabriel, ó meu anj ... meu velhote ... claro que conheço ... Mas! O senhor padre também conhece o velho Gabriel, quando é que esteve com ele?
-     Olha, Cláudio, ele é que esteve comigo e pediu-me para fazer-te uma visita.
-     E desapareceu logo! - exclamou Cláudio, lançando as mãos à boca, ao aperceber-se que já tinha ido longe demais.
-     Não disseste nada que eu já não saiba - adiantou Justino. - Eu sei que Gabriel é um anjo e que Deus quer dar um nó aos nossos destinos.
-     Diz-me lá agora, que calúnias foram essas?
-     O senhor padre conhece a família Fortunato. O Senhor Fortunato e o seu fillho Lucílio?
-     Lucílio, Lucénio! - exclamou o padre em voz alta, coçando a cabeça e prosseguiu:
-     Os Fortunatos?! Foram eles que lançaram as calúnias contra ti?  Não é de admirar, daquele tipo de gente tudo se espera! - E continuou. - Diz-me lá então que género de calúnias levantaram contra ti?
      E Cláudio contou-lhe tudo o que se tinha passado naquele noite.
-     Pobre Cláudio e pobrezinha da Clara!  Agora compreendo donde vem a minha admiração por aquela menina, ela não é Fortunato. - Disse o padre.
-     Não tardará muito que o seja senhor padre, se já não o é, pois o safado do Lucílio andava doido por ela.  E o pai de Clara não se importa nada, pois ...
-     Deixou-se enganar pela luxúria deste mundo. - Acrescentou Justino.
      O padre Justino assegurou a Cláudio que iria ter uma conversa com Clara, pois, afinal, ela conhecia a verdade e o poderia defender. Cláudio, muito céptico, não acreditava que ele conseguisse alguma coisa.
-     Não teve ela cinco anos para fazê-lo e não o fez! -  exclamou ele em voz alta. - E rematou de seguida. - Está a compreender-me senhor padre?  Não se esqueça que Clara nunca me contactou nem escreveu.
A riqueza é uma isca deliciosa e não há pessoa nenhuma que não se deixe engodar. Será que Clara já não foi engodada, senhor padre? - Perguntou ele, sabendo de fonte limpa, que não era o coração que falava, nem a sua razão, era a sua boca.
-     Nós não conhecemos a história toda, meu filho, mas, eu vejo agora que aquele olhar longínquo de Clara é um olhar de quem anda à procura de um sonho perdido. É notável o olhar de esperança que vemos por detrás do seu rosto banhado pela dor.
-     Sabe, padre Justino, eu já não me importo nada com isso. É que eu agora tenho outro amor a arder cá por dentro.  E, ainda bem, pois este amor silenciou o calor do meu amor por Clara.  E, se assim não fosse, o que mais me restaria?  Além de ter perdido o amor de Clara, perdi a minha mãe, pois enlouqueceu, coitada, e não sei aonde foi parar o meu pai ...
-     Conta-me, conta-me lá mais um pouco da tua vida Cláudio, fala-me lá desse amor que está rebentando o teu peito? - Retorquiu o padre com a voz cheia de afeição e os olhos cintilando de ira.
      Justino, jogando-se nos braços do padre, a soluçar, contou-lhe toda a sua vida. Falou-lhe, primeiro, da forma cruel como os seus pais foram tratados. Por causa de uma pobre barraca! A seguir, relatou-lhe o macabro acidente, quando aquela bala fatal perfurou o coração do Senhor Panchito, como lhe chamavam lá na cidade. Contou-lhe como o pai foi sentenciado injustamente, como tinha desaparecido, e como a sua doce mãe tinha enlouquecido.  Ele jogou da boca para fora tudo aquilo que o recalcava, que o revoltava. Em poucos minutos despejou a raiva toda que o consumia por dentro. O desejo que tinha de lhes rasgar as máscaras com as unhas e cuspir-lhes no rosto. Ele não lhes daria tréguas. Eles iriam engolir os seus próprios pecados.  A raiva que saltava dos lábios de Cláudio era tão forte, que enraivecia a raiva alojada no coração e na mente do padre Justino.
      Cláudio despejava sem medida a sua revolta, jurando em voz alta e descontrolada que se não conseguisse nada por bem, na sua luta contra a opressão e a injustiça, ele utilizaria a arma deles - a crueldade e a violência.
-     A violência - dizia ele -, é ... - e abruptamente baixou o tom da conversa.
-     Está a ver senhor padre como esta raiva me possui? – Perguntou.
-     Mas – continuou -, não é esta raiva que me dá forças para lutar contra a exploração e a corrupção? E se for necessário – dizia, recomeçando a engrossar a voz -, eu irei enganar, mentir, roubar, destruir e até matar. Se eles assim o quiserem, assim o terão, “olho por olho, dente por dente”.
      O padre Justino sorria interiormente, embora com uma certa preocupação, ao sentir que Cláudio estava animado pelos mesmos sentimentos que animaram todos aqueles que, durante a História da humanidade, têm lutado contra os opressores, em favor dos oprimidos. Esses terroristas revolucionários a quem os verdadeiros terroristas andam sempre a acusar de terrorismo! Justino, sabia, por experiência própria, que Cláudio precisava de estar animado por aquela raiva, para poder continuar a sua luta contra o terrorismo económico e político mantido pelos donos deste mundo.
-     Eles é que são uns grandes terroristas, não é senhor padre. – Disse Cláudio, como que adivinhando o pensamento de Justino. 
      Quem olhasse para Cláudio, com aquelas rugas na testa e grandes olheiras, esquelético, parecia um desses rebeldes que andam escondidos na mata a lutar pelos direitos dos oprimidos.
CAPÍTULO 10
A BATALHA ENTRE AS FORÇAS DO MAL E DO BEM

Justino visita Lucílio e Lucénio visita Cláudio na prisão


      No dia treze daquele mês soou a campainha na luxuosa mansão do Senhor  Fortunato.
      Naquele momento, o relógio de ouro à entrada da mansão começou a badalar. Eram exactamente treze horas da manhã!
      E no preciso momento em que o relógio dava a sua décima terceira badalada, como se tudo aquilo estivesse a ser devidamente planeado pelas forças que controlam o nosso mundo, Lucénio entrava sobrenaturalmente na prisão para ter uma conversa com Cláudio. O relógio da prisão tinha parado misteriosamente às doze horas da manhã, como se naquele dia não quisesse dar treze badaladas.
      Vejam bem o duelo entre o azar e a sorte, melhor dizendo, entre o reino do mal e o reino do bem ... na mesa de xadrez deste mundo.
      O padre Justino a entrar em casa dos Fortunatos, para tentar convencer Clara a testemunhar em favor de Cláudio; e Lucénio a entrar na prisão, raivoso, para tentar convencer Cláudio a não tornar-se companheiro do padre Justino.
      Lucílio abriu a porta, ficando a olhar pateticamente e cheio de animosidade para o visitante.
-     O que deseja o senhor padre? Albergar algum desgraçado ou anda à caça de esmolas para os pobres? ... Bateu na porta errada!
-       Não esperava tão grande atrevimento para com um humilde
servo de Deus, mas seja Deus a vingar-se da sua irreverência - replicou o padre, continuando -, não senhor, não venho à procura de compaixão, pois já sei que não habita nesta casa, venho sim falar com a menina Clara.
-     A menina Cla ... Clara ... - gaguejou o insensato.
      Entretanto, Clara, já tinha surgido no patamar das escadas. Aquela beleza fogosa brotando da sua formosura, do seu olhar puro, encheu a sala.  Justino reparou logo nas suas profundas olheiras.
-     Como está, senhor padre Justino.
-     Eu cá vou indo, minha filha - respondeu o padre, olhando-a piedosamente, adivinhando as causas do seu aspecto doentio.
-     Clara - disse-lhe Lucílio em tom seco -, agora que já cumprimentou o senhor padre, deixe-nos tratar do nosso assunto.
-     Desculpe, não desejo ofendê-lo Senhor Lucílio - interveio Justino, mas o meu assunto não é consigo, é com a menina Clara.
-     Com a menina, irra! ... nunca, nunca ... rua senhor padre, vá é já pr'o meio da rua - e Lucílio completamente fora de si, não conseguia dar mais conta das suas palavras -, fique sabendo que a menina é minha noiva ... quer dizer, já lhe pedi em casamento ... Mas! ... - E calou-se sem saber o que mais rematar pela boca fora.
      Neste preciso instante, Lucénio atacava Cláudio. - Seu grande parvalhão, com que então está a envolver-se em negócios com o padre Justino. Se calhar pensa que o Bispo e o Ministro são para brincadeiras!  E você ainda não conhece a máfia que está por detrás deles e isto para não falar dos diabretes como eu!
-     Para lhe dizer a verdade - rematou-lhe Cláudio de seguida -,  as suas  ameaças demoníacas não me metem medo nenhum.  Não sei se sabe que a canalhada desta cidade já esvaziou o meu coração. Já não há sentimentos cá dentro - e apontou para o peito -, ... raiva, sim, estou ardendo de raiva, e esta raiva que me consome por dentro é mais forte do que todos os demónios juntos.
      E levantando o punho, cerrado, mostrou-o a Lucénio, dizendo. - Olhe, olhe bem para isto ... lutarei contra todos os anjos das trevas e contra o Bispo e contra o Ministro e toda a sua máfia. Eu sei muito bem que o ricos só respeitam os pobres, quando estes usam de violência. - E, Cláudio, cerrando fortemente os lábios, acenou num gesto de ameaça, o punho cerrado a Lucénio.
      Lucénio, fulo de ódio, voltou-lhe as costas e esfumou-se pela parede a fora ... deixando Cláudio de boca aberta, enquanto que cheio de perplexidade, ele perguntava, a si próprio, sobre o significado deste duelo.
-     A vida é, de facto, um duelo entre o mal e o bem, entre o diabo e Deus, digam o que disserem! - Exclamou ele em silêncio.
      Do outro lado da cidade, o duelo continuava, entre o padre Justino e Lucílio.
      Clara replicava - nunca me casarei com alguém como tu. Nunca.
-     E vais casar com ele. - Gritava Lucílio, subindo as escadas, avançando para ela, roxo de cólera, com as veias do pescoço quase a rebentar... - Eu mato-o ... ouviste Clara, ouviste bem, eu mato-o -, e desapareceu pelo patamar acima.
      Clara ficou a sós com o padre Justino. O padre, calmamente, pediu a Clara para comparecer no julgamento e testemunhar em favor de Cláudio.
      Naquele preciso momento alguém entrou em casa. O duelo continuava, pois o diabo não dorme.
      Era a rameira da Dona Zulmira. Ele vivia cheia de gratidão pela bala que saiu do revólver do pai de Cláudio e perfurou a testa do marido.  É que andava farta do gordo, do nojento, como lhe chamava, quando lhe arranhava as ventas todas com as unhas. A partir daí, não só ficou à vontade, para dar livre curso à sua sexualidade, mas, passou a ter a massa toda ao seu dispor.  Os filhos, também pouco se marimbaram com a morte do maricas, como lhe chamavam, quando lhe iam ao focinho! Os negócios com a mãe eram mais lucrativos! Ela compreendia muito melhor as suas inclinações, bastava que em troco eles a deixassem andar de rabo ao léu. As coisas funcionavam às mil maravilhas entre eles. Vejam lá que os ricos, até o pai e a mãe esfolam se for preciso!  Eles não têm quaisquer sentimentos, só o dinheiro e o prazer os comovem.
      Não é de admirar o ditado bíblico que diz: “O amor ao dinheiro é a fonte de todos os tipos de males e, alguns, por quererem tanto dinheiro, encheram a vida de sofrimentos”, e um outro versículo, diz “Quem ama o dinheiro não se fartará dele”.(a)
      Mas, a Dona Zulmira veio interromper a cena que eu estava a contar. Ela era mesmo uma “interrupção em pessoa”.
      Só mais uma coisa. Gostava que soubessem que tinha sido esta víbora que liquidou a esposa do Senhor Fortunato, com uma dose de veneno posto no chá, que dava para matar uma dúzia de ratos. Numa tarde inverno, com a chuva a cair aos potes, durante a coscuvilhice do chá das cinco, lá se foi a Senhora Fortunato para o cangalheiro. A Zulmira não esperou nem dois meses para se casar com o Senhor Fortunato.  E, nem dois dias passaram, e já a assassina se tinha tornado amante de Lucílio. O Senhor Fortunato, que já vinha há muito tempo de uma família de adúlteros, não se incomodava nada que o filho se tivesse tornado amante de sua própria mulher.  A pobre Clara é que corria o perigo de deixar esta vida mais cedo, caso Lucílio não a deixasse em paz, pois a Zulmira toda enciumada ardia de ódio por ela.
      A Dona Zulmira era mesmo uma adúltera da cabeça aos pés. Como ela já andava com os olhos postos no padre,  mal soube da daquela visita através de uma intuição esquisita, deixou o Café e voou para a casa ...
-     O meu marido ainda está em casa, menina ...? -  perguntou, disfarçando, com os olhos carregados de ódio e de adultério. E, sem perder um segundo os seus dotes de predadora, mirou o padre de alto a baixo, enquanto pensava :
-     É pequeno, mas masculino! Que pena andar a gastar o seu tempo com as coisas de Deus ... – e, mirando desenvergonhada o padre de alto a baixo, exclamou à meia voz –, hei de lhe fazer perder essas manias!
      Clara, baixou timidamente a cabeça, enquanto a senhora passava por ela bamboleando provocadoramente as ancas, ao subir as escadas em busca de Lucílio.
-     Eu vou consigo agora mesmo senhor Padre - disse-lhe ela, com o
coração a saltitar de ansiedade só de imaginar que, depois de tantos anos de separação, iria ver o seu amado. 
      Clara e Justino deixaram a casa, debaixo do olhares vingativos do Senhor Fortunato, do Lucílio e da Dona Zulmira que, da janela do segundo andar, os viam a sair da quinta. Se pudéssemos ver a mão
direita da Zulmira, veríamos o seu dedo polegar, entre os outros dois, fazendo figas contra Clara.
      Enquanto o carro deslizava, Clara explicava ao padre as razões da sua fraqueza, que vinha da pressão psicológica que exerciam diariamente sobre ela, para que casasse com Lucílio.  Parecia, no entanto, esconder alguma coisa muito trágica.
      Dores e dúvidas bailavam em sua mente.
-     Que pensaria Cláudio dela, como a iria receber?! Pensaria ele que ela se tinha deixado vencer pelo el contado?
      Cláudio, embora obcecado pelo sua nova paixão, vivia, dia e noite, escravo do amor de Clara. A paixão pelos pobres que o assolava e invadia todo o seu ser, não conseguiu invadir aquele espaço dentro do seu coração e da sua mente que pertencia só a Clara.
      Havia dois olhares nos olhos de Clara quando ela entrou na cela.  Misturado ao olhar terno, que jorrava da nobreza e da pureza da sua alma, havia um olhar sofredor, sinistro ... mortal, muito profundo, que ela não conseguia disfarçar.
      Clara desviou os olhos dos olhos de Cláudio, procurando esconder aquele segundo olhar, enquanto que as lágrimas rolavam pelas suas faces. Mas, Cláudio, apercebeu-se logo daquele olhar sinistro. Alguma coisa terrível tinha acontecido a Clara.
      Cláudio pressentia desde há muito tempo que ela não seria para ele. Aquele amor infindo, nunca seria realizado. Mas, agora, um outro pressentimento, muito pior, o invadia.
-     Clara, porque não olhas para mim? - Perguntou Cláudio, levantando- lhe o queixo e dando-lhe um beijo na face.
-     Vim cá para te defender - disse ela, procurando esquivar-se da sua pergunta.
-     Que mal te fizeram?
-     O maior mal foi me terem roubado o direito de viver pobre mas feliz. São cinco anos de torturas diárias. Eles usam tudo, calúnias, ordens para os criados destruírem as tuas cartas... enfim! ... Enfrento diariamente a fúria de meu pai, que me acusa de ser doida por estar a trocar um lugar na burguesia por um pelintra como tu - dizia ela, sem poder controlar os soluços -, e  espanca-me brutalmente - continuava, mostrando-lhe algumas manchas negras nos braços.
-     Eu pressinto que me escondes alguma coisa, Clara, eu sei ... vá lá, conta-me tudo, conta-me ...
-     O Senhor Fortunado, sem Lucílio saber, continua a assediar-me como fazia lá na fábrica. Eu não digo nada ao Lucílio, pois ele é doido e fulminava o pai num instante. Cuidado, Cláudio, ele é capaz de tudo. – E, dizendo isto, baixou o seu lindo rosto.
      Cláudio, suspirou fundo, apertando os punhos até magoar. Ela não lhe estava a contar tudo, pois aquele mesmo pressentimento se agigantava dentro dele.
-     Será que o Fantoche! - murmurou em voz baixinha. - Será que ... - e, interrompendo bruscamente olhou fixamente para Clara ...
-     O que te fez ele ... diz-me o que ele te fez?
      Clara ficou gelada ao sentir-se descoberta e levantando a cabeça desnorteada, o seu olhar tornou-se vago, distante ...
      Cláudio prendendo-a carinhosamente entre os braços, perguntava-lhe em voz baixa, como se no fundo não quisesse ouvir a resposta. - Diz-me, Clara, por favor, o que te fez Lucílio?
-     Violou-me. – E, dizendo isto, desfaleceu, tombando por terra como morta.
      Cláudio levantando as mãos ao alto clamou esta oração a Deus:
-     Porque permites que os pobres nasçam debaixo do signo do infortúnio e o destino lhes seja tão cruel?
-     Porque permites que os ricos nasçam debaixo do signo da sorte e quanto mais pobreza semeiam mais riquezas ceifam?
-     Serás tu o autor de tanta desigualdade ó Juiz da terra?
      Mas Deus, já tinha decidido não dar respostas terrenas a estas e outras interrogações de Cláudio. E, por razões misteriosas, Ele já tinha decidido também que Cláudio deveria tornar-se protagonista de mais alguns sofrimentos.
      Existe um mundo de sonho á espera dos homens de papelão que transformados em ouro, viverão num palácio situado no pique das estrelas mais altas ... e daí poderão voar livremente por um espaço sem tempo e sem espaço, voar por um mundo aonde não existe mais a noção do finito, um mundo aonde a noção do bem e do mal não existe mais.
      Viver neste mundo de ferro, sonhando com aquele mundo de ouro, era a única alternativa que Deus deixava a Cláudio - O Sonho da Fé, que tinha poder para renovar-lhe as forças a cada dia, a cada frustração, a cada dissabor, a cada morte ... a cada pergunta!
     
(a) I Timóteo 6:10


CAPÍTULO 11
O PADRE JUSTINO LIBERTA CLÁUDIO DA PRISÃO

Cláudio sai da prisão e Clara volta para a casa de Lucílio


      Ouviu-se a sirene a tocar... era a ambulância que vinha buscar Clara, que se encontrava desmaiada na prisão, para levá-la ao hospital.
      Clara voltou do hospital para a mansão dos Fortunatos. Mais tarde, o padre Justino, com a ajuda de Clara e de um advogado amigo, conseguiu libertar Cláudio da prisão. Clara, sem medo nenhum das suas retaliações, foi ao tribunal testemunhar a favor de Cláudio, debaixo das ameaças de Lucílio.
      A paixão de Cláudio ainda não se tinha desvanecido. Mal saiu da prisão, ele juntou-se ao novo partido, clandestino, que nascia de uma outra iniciativa de Justino. Cláudio não se tinha esquecido de Lucílio. Ele pagaria bem caro pelo seu crime. Também não se tinha esquecido do pai de Clara, que sem quaisquer escrúpulos, foi capaz de trocar a honra de sua própria filha por um vida de conforto .
-     Esse bandido também não perderá pela demora! - Pensava Cláudio consigo mesmo.
      Ele decidiu então fazer uma visita ao hospital de malucos onde a mãe se encontrava enjaulada. Quase que morreu de horror ao vê-la. O olhar da mãe, perdido no passado, mostrava que ela tinha perdido totalmente a noção do presente e do futuro. Aquele olhar perdido e os seus cabelos levantados e despenteados, dando-lhe uma aparência medonha, mostravam que ela tinha morrido no passado.  Mas o que mais lhe comoveu, foi ver o rosto dela todo arranhado pelas unhas, grandes e sujas, e a baba a escorrer pela boca abaixo. A mãe de Cláudio não era uma doida.
      Ela era simplesmente uma mulher, que tinha deixado de viver, por causa da maldade que lhe tinha feito a Dona Zulmira.
      Apertando meigamente o esqueleto da mãe, ele sentiu-a por um instante a reviver. Mas era tarde de mais, os danos em sua mente eram irreparáveis. Então, ele elevou os seus olhos aos céus e as suas lágrimas rolaram pela cara abaixo em forma de perguntas que se derramavam no vaso, de Deus, das lágrimas dos humanos: (a)
-     Porque criaste um universo tão injusto?
Será que não vês as crianças, esfomeadas, brutalizadas, por causa do amor ao poder?
-     Não vês os jovens, marginalizados, destruídos, por causa do amor ao dinheiro?
-     E os inocentes que são desfeitos nos ventres de suas próprias mães, não vês?
-     Não vês que os pobres que sofrem até morrer, enquanto os ricos vivem de prazer à custa do dinheiro  que lhes roubam.
-     Quem é o responsável por tudo isto, ó Juiz do Universo?
-     Os ricos são consolados pelas suas riquezas, quando sentem a dor, mas os pobres não têm nada para os consolar.
-       Os ricos vivem de gabarolices, mas os pobres não têm nada para se gabar.
-       Os ricos, andam em viaturas de luxo, vivem em grandes palácios e
comem à farta, mas os pobres andam descalços, vivem muitas vezes sem tecto,  e às vezes sem pão, sem sopa e à mesmo pobres que não têm pai, nem mãe.
-     Porque não nos vens, ao menos, dar a riqueza espiritual que nos permita suportar a nossa pobreza material.
      Cláudio, diante de sua mãe, perdido num oceano de confusão, procurava uma orientação divina diante de todas essas perguntas.  Mas a Fé, vinda do fundo do seu coração, dizia-lhe que ele teria de continuar a viver heroicamente sem respostas. Não nos esqueçamos que este pobre herói tem um corpo e uma mente de papelão.
      Por isso, ele saiu a correr do hospital perseguido por um pressentimento medonho. Ele ardia de medo, no fundo da sua alma, ao sentir-se como um joguete no meio das partidas da vida.
      Vertigens desumanas atravessavam a sua mente, ao pensar que havia gente neste mundo a sofrer milhões de vezes mais do que ele.
      Mas a providência divina é perfeita e naquele preciso momento uma paz infinita desceu do céu sobre ele. Ao levantar os olhos, ele jurou ver o anjo Gabriel a fazer-lhe um sinal. Nisto, os céus se abriram e ele viu o crucificado, coroado de espinhos, as mãos e os pés sangrados, com ar triste e sorriso vitorioso, dizendo:
-     Cláudio ... o meu sofrimento não é suficiente para responder ao teu ... ?
      A visão do crucificado, glorificado, era mais do que suficiente para responder a todas as suas perguntas. Aquela visão fortaleceu a sua Fé e comunicou-lhe o ânimo que ele precisava.
      No entanto, Cláudio sabia que a vida é uma luta sem tréguas. Não havia tempo para respirar. Ele estava de corpo e alma mergulhado nessa luta e nem a morte o faria desistir.
      Como ele não sabia do paradeiro do seu pai, decidiu iniciar algumas buscas.
-     Estaria o seu pai numa situação pior do que a sua mãe?  - perguntava a si próprio ...
      Percorrendo a cidade de uma ponta à outra, ele ia perguntando pelo senhor Constâncio. Num rodopio de um lugar para outro, ele via a vida como uma roleta que não para, nunca. A economia, a política, a religião, os valores e as crenças das pessoas rolam sem parar ... Para a frente ... ou para trás? Esta era a questão! Conforme os anos passando, a vida vai rolando, rolando mais rápido, os tempos se alteram, fundem-se os valores antagónicos da filosofia, da ciência, da religião, da política, da família, num maquiavélico sincronismo.
      Cláudio sabia muito bem que a cultura da torre de Babel estava a renascer e iria unir as sociedades à volta de uma mesma ideologia, encabeçados por um Ninrod moderno, o ímpio, a Besta.
      Uma grande conspiração contra Deus aproximava-se rapidamente. A última conspiração do homem! (b). Desta forma, o desenrolar dos acontecimentos iam tornando o mundo mais parecido com o mundo do sonho de Cláudio. O ímpio prometido, o número 666, a Besta, o verdadeiro homus brutalis, muito bem disfarçado, estava quase a chegar. E os homens, que rejeitaram e crucificaram o príncipe da paz, iriam glorificar aquele iníquo. (c)

(a)  Salmos 56:8
(b) Gênesis 10:8-10; 11:1-9 ; Salmos 2
(c)  II Tessalonicenses 2:1-12

CAPÍTULO 12

O MUNDO DE FERRO DA BESTA DO APOCALIPSE

Os acontecimentos finais do Império Apocalíptico da Besta



      Os acontecimentos vão-se tornando mais parecidos ao sonho profético de Cláudio. O Big cresce e o petit diminui. Uma mega informatização e comunicação multicultural concentrava o poder  político e económico nas mãos de uma nova aristocracia.
      Se o Big ajudasse o petit a crescer, isso era como ao outro!  Mas o grande problema é que Big tornava-se mais Big e o petit mais petit.
      As aldeias e as cidades pequenas perdiam a razão de ser e a sua pobreza revertia em favor das grandes zonas urbanas. As populações fugiam para as grandes capitais, à procura de um pedaço de pão e de uma terrina de sopa para matarem a fome. Algumas capitais já tinham atingido cerca de cinquenta milhões de habitantes. Babel, a capital do planeta, o novo centro da economia mundo, contava já com duzentos e cinquenta milhões de pessoas.
      A droga e a pornografia transformavam-se nas duas maiores indústrias da sociedade e os Estados tornavam-se em narco e porno-estados.
-     Gabriel tinha razão acerca de tudo o que disse sobre o futuro. Ele é o autor do meu sonho - exclamava Cláudio.
      Cláudio recordava-se das profecias acerca do fim do mundo lidas na Bíblia. Ele sabia que o mundo estava assistindo ao cumprimento dos acontecimentos profetizados em Apocalipse?
      A Bíblia estava mostrando a sua supremacia sobre a astrologia, a sociologia e a ciência? Restava só saber quem seriam os cavaleiros e as bestas do Apocalipse?
      No meio de todas daquelas perguntas, Cláudio estava convicto duma coisa. Os ricos nunca utilizariam a altíssima tecnologia para estabelecer um paraíso na terra. Ele não era ingénuo. Tudo indicava que o seu sonho profético tornava-se numa realidade. Os senhores deste mundo utilizariam, sim, as novas descobertas científicas e místicas, para explorarem ainda mais os pobres.
-     O que pensas tu! - exclamou ele para o ar.
      Cláudio tinha sido ungido e ordenado profeta, naquela tarde, quando levantou a sua cabeça afundado no pó e olhou para o rosto celestial de Gabriel. Como qualquer profeta novato, sem experiência, Cláudio achava que a violência era a única linguagem que os ricos conhecem! Infelizmente, a história testemunha que os cães só largam o osso, quando o povo lhes arreganha os dentes. Ou não tem sido assim mesmo?!
      A grande ambição de Cláudio era juntar-se ao grupo dos rebeldes liderado pelo Padre Justino, para combater o governo de ferro que se avizinhava.
-     Eu cá tenho umas contas pessoais para ajustar com o porco do Lucílio e com a histérica da Zulmira. Eles vão ver com quem estão a brincar! - pensava Cláudio constantemente.
      E, desta forma, assistia-se a uma viragem radical na filosofia governamental das sociedades.
      Os poderes mundiais associavam-se, combatendo tenazmente as liberdades pós modernistas e estabeleciam um controle de ferro no meio das populações. Leis inexoráveis eram promulgadas e começava-se a tornar muito perigoso falar de igualdade, liberdade e fraternidade. Não será preciso dizer que as leis eram feitas somente para os pobres, pois os endinheirados continuavam a viver sem leis, como sempre. Eles faziam o que bem lhes apetecia e ninguém podia dizer nada.
      Os jornalistas começaram a ser perseguidos, pois andavam sempre a badalar e a meter a foice em seara alheia.     
      Os ricos podem não ser inteligentes, mas são espertalhões. Eles legalizaram o consumo livre das drogas e a pornografia, pois estavam a dar um dinheirão.  Corriam grandes patacos para as suas algibeiras vindas da venda dessas bodegas.
       A regra de ouro daquele Império de Estados, era a de Cícero, o sábio, que ao preparar o caminho de Augustos, disse: “o serviço ao Império abre as portas do Céu”. E, assim, o povo era enganado.
-     Chegou o tempo da Grande Tribulação, salve-se quem puder - gritavam os desgraçados debaixo das gargalhados do diabo.
      Então, veio o grande dia das eleições tão esperadas,  e Lucrécio ganhou com maioria absoluta. A polícia secreta foi à porta das pessoas para aconselhá-las, com uma arma debaixo dos queixos, a votarem a favor de Lucrécio. Ele tinha como conselheiros: cientistas, políticos, sacerdotes, astrólogos e espiritualistas. A maior parte dos seus conselheiros eram homossexuais e gabavam-se disso, sem terem vergonha nenhuma na cara. Lucrécio escolheu o José e o João, para serem apresentadores do tempo de antena do governo. Eram dois parvalhões famosos da televisão que ganhavam uma fortuna à custa das suas obscenidades. Dava vontade de chorar ao ver Lucrécio e os seus comparsas, com as ventas todas escancaradas, a morrerem de rir, ao ouvirem-nos a blasfemar contra Deus.
      O Governo decidiu escolher o dia do Natal, para efectuar a cerimónia da passagem do governo para as mãos de Lucrécio. No final da cerimónia os conselheiros levantaram os seus cálices e fizeram um brinde com a urina do Dragão, em saúde do reino da Besta. O José e o João, casados de fresco, responsáveis pela a apresentação do programa, aproveitaram o Natal para profanar o mais que podiam a Jesus Cristo e glorificar o reino da Besta.
-    Lucrécio -  dizia o porco do José -, é o discípulo mais leal do Dragão, ele reza ao diabo ao levantar-se e ao deitar-se.
-     Aleluia! – gritava o João, dançando, cantando e saltando, como um parvo, com mulheres quase todas nuas à sua volta.
      Lucrécio era a Besta do Apocalipse. Lucênio, a segunda Besta do Apocalipse, era o falso profeta. O Dragão era o diabo.
       E o pior de tudo é que, depois de muitos anos de ensaios e de tentativas de parte a parte, os senhores do mundo e os demónios começaram a comunicar através dos corredores virtuais então descobertos. Os terrestres conseguiam videofilmar o mundo oculto e os fantasmas apareciam nos monitores, dançando, rindo e pondo a língua de fora tão comprida que tocava no queixo.
      Lucênio era uma combinação entre um ser humano e um demónio. O governo escolheu um personagem humano, grotesco, e fundiu dentro dele o número dois dos demónios, a mão direita de Lucífer. Esse personagem humano, era Sismundo, encontrado numa prisão de alto perigo, um criminoso, muito parecido com o diabo, um doente mental que estava na prisão por ter estrangulado oitenta mulheres, depois de as ter violado.
      Havia um segredo que só as duas Bestas, Lucrécio e Lucênio conheciam e ainda não tinham desvendado a ninguém.  No laboratório de Lucénio, através de um aparelho muito sofisticado, eles trouxeram Lucífer do além e fundiram-no em Lucrécio.
      Lucrécio, a Besta, era o diabo em pessoa e era por isso que falava como um Dragão, embora andasse disfarçado de ovelha.
      Lucrécio foi eleito e tornou-se o Presidente da grande União de Estados, que o mundo começou a chamar de Nova Babilónia. (a)  Ele apresentou-se ao mundo como sendo o número 666, a Besta do Apocalipse, enviado para trazer a paz e a salvação ao planeta azul.
      Lucrécio, possuído pelo próprio Lucífer era a Besta do Apocalipse.
      Lucénio, era o Grande Profeta, a segunda Besta do Apocalipse. Lucénio foi colocado acima do Papa e escolhido para presidir o Conselho Mundial das religiões. Ele queria unir todas as religiões do mundo: Católicos, protestantes, judeus, budistas, muçulmanos, hinduístas, animistas começaram a adorar o Diabo juntos. Mas, aqueles que queriam somente seguir a Cristo e se opunham à liderança política e espiritual destes dois tarados, se fossem apanhados, eram logo decapitados. (b)
      Além desta hedionda perseguição religiosa, o Estado mandava caçar os pobres nas ruas e, em nome da União, eram levados para o departamento científico, onde eram submetidas a experiências desumanas.
      Infelizmente, há muitos estudiosos que pensam que a Democracia converterá a humanidade à fraternidade, à solidariedade e à igualdade social? Eles pensam que o millenium é já agora e não precisamos de Cristo para nada. Segundo o parecer destes doutores, o homem não precisa de Deus. Rejeitam a mensagem transmitida pelos dois maiores monumentos da história, um Livro e uma Pessoa, a Bíblia e Cristo. Será que o facto destes dois monumentos testemunharem um do outro, como Cristo disse, “as escrituras testemunham de mim”, é uma pura coincidência?
      Mas isto pouco importava os eruditos. Eles não se queriam dar à maçada de investigar aquilo em que não acreditavam. Eles acreditavam que o homem é o seu próprio criador e salvador, em evolução, a caminho do Super-homem.
      Mas a verdade, esta é a verdade, bem comprovada pela história humana, é que: “não há ciência, nem democracia, nem ideologia humana que tornará em carne o coração de ferro do homem”.

(a)  Apocalipse, 13:11-18
(b)  Apocalipse 13:7,15
CAPÍTULO 13
O MAL DÁ UM SENTIDO CONFUSO AO NOSSO MUNDO

Os homens parecem viver num mundo absurdo e sem significado


      Clara, tendo escapado da casa de Lucílio, andava à procura do Padre Justino e de Cláudio.  O Padre e alguns revolucionários conseguiram fugir à feroz perseguição desencadeada pela Besta e encontravam-se alojados num esconderijo secreto.
      Acontece que, como já era e esperar, o Lucílio e a devassa da Zulmira tornaram-se fiéis discípulos da Besta. Eles trabalhavam na área da espionagem electrónica. Eles chegaram mesmo ao ponto de denunciarem injustamente o senhor Fortunato, que se encontrava agora casado com a Zulmira, pois andavam loucos para jogarem as mãos aos seus bens. A Zulmira pediu à Besta para o decapitarem sem dó nem piedade. Lucílio, pediu para o enviarem para o degredo. É que ele preferia ver antes o pai a morrer lentamente no degredo, a trabalhar que nem um burro.
-     Bem feita, vais pagar o que fizeste à mãe – pensava Lucílio -, enquanto a polícia arrastava pelos pés o Senhor Fortunato, que aos berros pedia ao filho e à mulher que tivessem piedade dele.
      Mal o Senhor Fortunato partiu para o degredo, o Lucílio e a Zulmira fizeram um juramento de sangue, que não descansariam, nem um só segundo, enquanto não localizassem o partido dos rebeldes liderados pelo padre Justino.
      Entretanto, depois de alguns meses de busca, Clara finalmente encontrou Cláudio.
-     Cláudio, meu amor, o padre Justino e os outros têm que fugir daqui. O Lucílio e a Zulmira fizeram um juramento de sangue que não  descansarão até apanhar-vos.  Eles estão muito bem informados.
-     Oh! Clara - respondeu Cláudio -, se tu viesses comigo...
      Ela abaixou os olhos, como a esconder alguma coisa.
      Cláudio não reparou nisso e continuou - vem comigo, vamos encontrar o paradeiro do meu pai - e com voz sumida, acrescentou -, já sei do paradeiro da minha mãe.
-     Sabes, onde está? - exclamou Clara.
-     Não me faças lembrar, por favor! - exclamou ele.
-     Diz-me, por favor, meu amor – exclamou ela docemente.
      Falavam os dois por exclamações!
-     Está num hospital ... lou ... louca! - gritou!
-     Mas, o quê, num hospital, lou ... louca - Clara já não exclamava, gritava também -, ó não Cláudio, mas o que é que nos está a acontecer, vamos já buscar a tua mãe! ... Não sabes o que eles estão a fazer? Eles estão enviando os doentes mentais e os presos para um departamento demoníaco, liderado por Lucénio onde são submetidos a transformações horrorosas. - Clara, não falava, cavalgava e, respirando profundamente, continuou -, Cláudio, talvez o teu pai já esteja lá nesse departamento.
-     O meu pai. - Berrou Cláudio.
-     O meu pai nesse departamento – e os berros sucediam-se aos gritos, Cláudio berrava de desespero e de dor.
-     Isto é demais, eu sei Cláudio ... – gritava Clara arrasada -, o Estado - e continuava a sua cavalgada de informações -, está a acabar com tudo ... hospitais, prisões, escolas, tudo o que dá prejuízo – fez uma pausa para respirar fundo e continuou -, a televisão, os jornais e a rádio estão a ser desmanteladas e, por este andar, daqui a pouco, só subsistirão três classes sociais: os políticos os ricos e os militares.
-     Eles querem acabar com a populaça ... ou, melhor, a procurar uma forma de não darem tanto prejuízo.
-     Vamos, rápido, para o departamento científico - disse Cláudio puxando-a pelo braço.
      Clara resistia, parecia que não queria ir.
-     Mas, o que se passa agora, Clara ? perguntou-lhe.
-     Eu não posso ir contigo ...
-     Tu, não podes ... Porquê ?  Estás com medo do Lucílio.
-     Não... é que eu não posso ir contigo.
-     Não podes ... Não podes ir comigo ...  Não ... -  e em voz baixinha, Cláudio fazia ressoar estas palavras, pensativo, como a querer fugir daquele pressentimento que lhe assaltava a cabeça cansada de tanta luta, tanta frustração -, não podes – e, continuava, numa voz sumida, a sua reflexão ...
      Então, bruscamente, levantou a cabeça, olhando com os olhos arregalados para Clara, olhos nos olhos, enquanto fazia ressoar as mesmas palavras -, não podes – levantando o volume da sua voz ...- por que não podes ir comigo ... não entendo ... – continuava, baixando de novo a voz como a fugir de um pensamento perturbador ... -, mas será que... não ... a razão é que não podes ir comigo ... Porquê? – Perguntou, interrompendo a sua reflexão, levantando a voz, outra vez.
      Quem olhasse para o seu rosto, parecia que ele tinha envelhecido cem anos. Cláudio, sabia, embora estivesse a tentar fugir, que uma grande tragédia tinha-se cruzado com o destino de Clara.
      Não te bastava teres sido maltratada, violada! – Exclamava ele  -, e, ainda mais esta, não, eu acho que não mereces mais esta ... é demais, para nós, recebermos estas notícias trágicas, umas atrás das outras, sem fim!
      Cláudio, estava à beira de um colapso existencial.  Ele já sabia o que tinha acontecido a Clara, mas não se sentia capaz de ouvir a notícia da sua boca. Metia dó olhar para eles, pareciam dois farrapos humanos.
      Sentaram-se e ele pousou cabeça no regaço dela, pedindo-lhe que lhe escondesse a verdade,
dizendo-lhe que era melhor ele fingir que  não sabia de nada.  Clara chorava e as lágrimas rolando-lhe pelas faces, tombavam sobre os cabelos e o rosto de Cláudio. Eles sentiam agora que aquele sonho de amor que já vinha desde a sua meninice estava ali, finalmente, destroçado pelo destino.
      Cláudio, com a cabeça repousada no seu regaço, podia ouvir o pequeno coração batendo dentro dela. Ele sabia que aquela criança era fruto da malvadez de Lucílio. Por uns momentos, ele reflectiu na grandeza da vida ... tão independente, tão isenta ... que até a malvadez dos homens a podia conceber! Nisto, ele sentiu uma mão meiga a pousar-lhe no ombro e a dizer-lhe para ele aceitar aquela vida como se fosse dele ...
-     Mas! Não é meu filho, não me pertence! Eu não consigo, não posso. – E, cobrindo o rosto com as mãos, começou a soluçar, dizendo:
-     Nã ... Não ... Não me digas ... Não me digas que ele foi capaz disto? - E, interrompendo, ele tentava deixar de pensar, ele não queria acreditar que aquilo estava mesmo a acontecer.
      Clara, sentado  nos degraus das escadas tinha o seu rosto puro coberto de culpa e de vergonha.
      Mas a mão invisível continuava a pressionar o ombro de Cláudio, transmitindo-lhe uma sabedoria que não vem neste mundo. Nisto, aconteceu algo fantástico. Ele sentiu-se arrebatado para um lugar onde via e ouvia coisas inexplicáveis, enquanto o  seu rosto tornava-se em ouro e os seus olhos em cristal. O arrebatamento não durou nem um segundo e quando deu por ela já estava de volta à terra. E, por mais paradoxal que pareça, ele entendeu naquele instante que afinal valia a pena viver este mundo de ferro.  A vida por mais cruel que fosse, parecia ter um significado incomensurável.
      Cláudio, apertando Clara meigamente contra o seu peito, agradeceu a Deus por ter criado um universo que afinal é igual para todos e está cheio de significado.
 -    Um universo onde todos têm as mesmas oportunidades e os mesmos deveres, embora não pareça – meditava ele.
      Neste momento, ele compreendeu o versículo de Romanos 2:11 que diz “Porque Deus não faz distinção de pessoas”.
      Ele soube, naquele momento, que o filho de Lucílio tinha tanto valor para Deus como qualquer outra criança.
      Clara, podia ver no rosto afligido de Cláudio um sorriso maravilhoso vindo do Céu.
-     É filho do Lucílio não é? – perguntou-lhe calmamente.
      Ela, nervosa, acenou-lhe com um gesto de cabeça, perguntando:
-     Cláudio, não achas que seria muito melhor ele não conhecer este mundo?
-     Clara, é o teu filho. É um ser humano como outro qualquer! Porque seria melhor ele não conhecer este mundo? O  teu filho, Clara,  pode vir a ter uma vida plena de significado.
      Mas, Clara, amargurada, recusando ser consolada, continuava a extravasar a sua dor. – Mas a sua concepção não foi digna. E quando ele souber um dia que é um filho da malvadez humana!?
-     Ó meu Deus! O que estou eu estou para aqui a dizer? O meu filho não é um malvado, não senhor, ele não é um filho da maldade humana. Filho da malda ... huma ...  este filho que trago dentro do meu ventre?!
      Cláudio apertando-a contra si, retorquiu : - O teu filho é um fruto maravilhoso da vida, Clara. E, embora não pareça, ele terá mais direitos e privilégios do que muitos que parecem ter mais direitos e privilégios do que ele. Deus é perfeito, ele não falha, ele é um Deus maravilhoso e criou um Universo cheio de justiça para todos!
-     Oh! Cláudio, estou tão abalada que preferia que a vida não passasse de um sonho, não passasse de um grande pesadelo.
-     Eu acho, Clara, que apesar do mistério e do sofrimento que envolve a vida, Deus deve ter razões muito fortes para ter criado as
coisas assim. Um dia iremos glorificá-lo pela sua sabedoria muito mais elevada do que a nossa.
-     Clara, o teu filho vai ter um pai, podes crer ... ele vai ser um homem verdadeiro, ele vai compreender, vais ver ... - acrescentou, Cláudio, cheio de convicção.
      E, então, abraçaram-se um ao outro perdidos naquele amor que os unia desde criança. Aquele amor, sim, era um verdadeiro amor de perdição! Cláudio enchia-lhe de promessas que saiam do fundo do seu  espírito alimentado pelo seu arrebatamento ao Paraíso. Mas, apesar desta visão celestial, ele sentia-se bem no fundo do seu coração de papelão, mais destroçado do que Clara.
      Clara decidiu ir com Cláudio. Os dois partiram para fazer uma visita ao departamento científico. Correram os corredores, um a um, batendo em todas as portas. De repente, alguém lhes apareceu à frente.  Era Lucênio ... rindo  e zombando ... dizendo:
-     Vêm à procura deles, não é  ...Ah! Ah! Ah! ... vão lá vê-los que eles estão mesmo lindos. Venham comigo que eu tenho todo o prazer em apresentá-los ... estão bonitos ... Ah! Ah! Ah! ...
      Eles o seguiram. Lucênio ia voando à frente deles com os pés a uma distância de vinte centímetros do solo. Era terrível, olhar para aquela criatura. A criatura humana já era horrenda, o Sismundo. E, agora, ainda por cima, possuído por um demónio.
      Subitamente, eles vêm Lucênio fugir espavorido. Então, Gabriel apareceu-lhes à frente. Cláudio correu para ele gritando alegremente - Gabriel, meu amigo, meu anjo...
-     Não me toques. Hoje, ninguém me pode tocar. - Disse-lhe Gabriel num tom justiceiro.
      Cláudio retirou rapidamente a sua mão. Ao olhar para Gabriel, notou que do seu semblante irradiava uma luz que não pertencia a este mundo. Gabriel, embora mantivesse uma aparência terrena, estava envolto numa chama celestial.
-     Hoje, eu estou consumido pelo fogo que sai do trono do Altíssimo.(a) A maldade humana já encheu a medida de Deus. (b) E, hoje, eu vim para fazer mal aos maus.(c) Deus está farto de ouvir o
clamor dos órfãos, das viúvas e das crianças ...
-       Eu tenho hoje na minha mão direita o cálice da ira santa de Deus
e vou começar a despejá-lo sobre o reino da Besta.  A Besta não fará mais mal a ninguém. Mas, vão lá ver os vossos pais, vai ser doloroso, meus filhos, tenham paciência ... - e dizendo isto, desapareceu.
      Cláudio e Clara continuaram percorrendo os corredores do enorme edifício. Provavelmente aquele Centro se tornaria no centro nevrálgico de todo o progresso. Aos poucos substituiria todos os outros campos de conhecimento: a Ciência, a Filosofia, a Psicologia e a Religião.
      Aproximando-se de uma vitrina, eles viram várias pessoas andando em fila, lentamente, seguindo um mesmo ritmo e fazendo os mesmos gestos. Parecia que tinham acabado de ser submetidos a uma grande transformação. Tinham um ar primitivo, patético, difícil de definir.  Espreitando para a vitrina da sala ao lado, eles notaram que aquelas pessoas entravam para uma sala, normais ... E apareciam na outra sala como se lhes tivessem arrancado a alma do corpo.
-     Isto é incrível! Isto é incrível! ... - Exclamava Clara.
      Pálido, e em voz rouca, Cláudio acrescentou - só ficam cinco minutos dentro daquela sala e saem totalmente diferentes ...
-     Será que estão narcotizadas, para poderem ser mais facilmente dominadas, Cláudio?
-     Acho que não! Acho que não! Acho que estão sendo submetidas a algo que ninguém jamais imaginou! - Disse ele, como para si mesmo, como se estivesse muito longe daquele local.  E, de facto, ele não estava mais ali. Ele estava mergulhado nas imagens horrendas do seu sonho.
-     Entremos depressa, Clara, parece que a porta está aberta.
      E entraram, encostando-se à parede. Parecia que aquelas pessoas não traziam nada de humano, ao saírem da outra sala.  Vinham todas fardadas de igual, calças e camisas pretas, com riscas vermelhas
de alto a baixo. Passavam mesmo à frente deles e entravam para
uma terceira sala. Cláudio e Clara ficaram ali, estáticos, observando aqueles rostos patéticos, sem uma chispa de inteligência que cintilasse dos seus olhos mortos. Eles sentiram alguém ao seu lado. Era um dos guardiões da sala. Estava também fardado, mas de cor diferente, como se todas aquelas pessoas mecanizadas pertencessem a diversas categorias.
      A farda do guardião, em vez de preta, era cinzenta escuro, com riscas vermelhas mais claras.
      Parecia que o imaginador de tudo aquilo, queria dar um ar macabro ao local ... o mais macabro
possível!
-     Mas - sussurrou Cláudio baixinho ao ouvido de Clara -, ele tem a mesma expressão do que os outros, apesar de parecer pertencer a uma categoria mais alta.
-     Pois é - respondeu Clara -, ele também tem uma expressão animalesca.
-     Ó Cláudio, já olhaste bem para o seu olhar ... é tão esquisito, meu Deus! - continuou Clara.
-     O que disseste tu?  Animalesca? - E os pensamentos de Cláudio estancaram na sua mente.
       Ele não disse mais nada, já tinha percebido tudo.  Estendeu a mão e agarrou o corrimão da escada para não cair, tal foi a tontura que lhe cruzou a mente como um raio.
-     Não precisas perguntar mais nada ... - dizia-lhe ele em meia voz.
-     O que lhes fizeram eles, já sabes Cláudio?
-     Preferiria não saber!
-     Anda, vem .... - disse Cláudio -, vamos ver o que estão fazendo na outra sala. Na outra sala, viram centenas, todos fardados em diversas cores, segundo as suas categorias, possuindo todos um olhar animalesco.
      Ouviam-se informações através dos alto-falantes, sirenes a tocar, mas nenhum dos fardados parecia entender o que se estava a passar à sua volta. Só alguns homens de fato e gravata cinzenta e algumas mulheres de mini saia vermelha, com o número 666 gravado na testa, pareciam estar a par do que se passava. Eles apontavam os controles que tinham na mão direita e os fardados se movimentavam segundo  as suas ordens. Os de farda preta, entravam para dentro de uns enormes tanques de guerra.  Outros para dentro de aviões ou de helicópteros.
-     Já viste o que lhes fizeram, Clara, tornaram-nos em autênticos bólidos de guerra, telecomandados.
-     Parece que estão debaixo de um sedativo qualquer ou pode ser que estejam hipnotizados.
-     Não, Clara, estas pessoas já deixaram de ser humanos. Não vês aquele corte lateral de um lado e do outro das suas cabeças?
-     Sim , vejo.
-     Retiraram-lhes o cérebro e transplantaram um cérebro de animal. Eles já estão mortos, não pensam mais e são controlados pela polícia política do Governo. Não vês os controles em suas mãos?
      Naquele momento passaram mesmo à frente deles, o pai e a mãe de Cláudio ... um ao lado do outro, mas sem se conhecerem.
      Clara, ao vê-los, foi apoderada por um sentimento muito esquisito. Era um sentimento desumano causado por aquela cena desumana, que a fez sentir tonturas e dores muito fortes.
      Cláudio já não sentia nada, pois, estava esvaziado de sentimentos e de lágrimas. Dentro dele, só não tinha ainda morrido, apesar de tudo, a sua Fé e o desejo de continuar a lutar pela liberdade e igualdade de todos os homens.
      Os dois saíram a correr daquela sala. Clara fugia das imagens que bailavam no seu pensamento.  Cláudio corria para encontrar o Padre Justino e seus amigos.  Enquanto corria, apalpava o revólver antigo do seu pai, o que tinha morto o Panchito.  Entretanto, eles foram localizados através da rede informática do padre Justino e juntaram-se ao partido.
      O partido revolucionário continuava a sua guerra informática contra as injustiças do governo. As denúncias que eram feitas informaticamente  pelo partido, chegavam aos ouvidos de todos os oprimidos e  incitava-os à rebelião. Nem as cidades espaciais, onde muitos megamilionários passavam as férias, mergulhados em deleites inimagináveis, escapavam aos olhos electrónicos do partido,
que via tudo o que lá se passava.
      As criancinhas eram teleportadas da terra para as cidades espaciais e depois das abominações feitas, eram atiradas vivas pelo espaço a fora, para não deixarem nenhuma pista.
      Os exércitos da Besta constituídos pelos farda-castanha, farda-azul e farda-negra, destruíam brutalmente todos o que se rebelavam contra a ordem de ferro estabelecida pela Besta.
      Os técnicos do partido revolucionário conseguiram finalmente obter imagens duma conferência que estava sendo dada pela Besta, em seu quartel general, situado num local totalmente desconhecido. Ninguém sabia se era no espaço ou no centro da terra.  O que toda o mundo sabia é que mesmo na casa de banho, deviam ter cuidado, pois podiam estar a ser localizados pelos olhos do Grande Computador, que continha os dados dos habitantes da terra, podendo localizá-los através do código pessoal marcado em suas testas.
      Os olhos electrónicos deste Grande Computador podiam recolher imediatamente as imagens e as conversas de todas as pessoas da terra, não importa em que local estivessem. O Computador tinha o nome do seu autor “Besta”. Espiava tudo. Só não conseguia espiar os movimentos dos membros do partido do Padre Justino, que conheciam técnicas muito avançadas de dissimulação informática.
      Os rebeldes, sentados à volta dos monitores, não perdiam nada do que se estava a discutir naquele salão. Cláudio, ao percorrer o olhar pelo presentes, gritou surpreendido para os outros - olhem ali, o Lucílio e a Zulmira mesmo ao lado do Lucénio.
-     Mas o meu pai não está lá! - exclamou Clara -, não percebo, ele vai para todo o lado com eles.
-     Ouve, Clara, talvez o teu pai se tenha arrependido e fugido!
      Na verdade, o senhor Heitor tinha-se revoltado contra o Lucílio Fortunato, quando este traiu o Senhor Fortunado e o enviou para o degredo. Ele estava na sala. Era um dos guardas de Lucílio. Tinham-no transplantado um cérebro de macaco e transformado o seu rosto para ninguém o conhecer.
      Clara não iria saber, nunca, do paradeiro de seu pai ... E do seu irmão, que lá estava também com o rosto transformado e um cérebro de cão transplantado.
      Estavam lá os malvados todos, por incrível que pareça. Deslocaram-se de todos os cantos do planeta, num espaço de segundos, para aquela grande reunião. Eram desintegrados dentro de uma máquina virtual, e as suas células eram teleportadas a uma velocidade mil vezes mais rápida do que a luz. O Papa também lá estava, mansinho que nem um cordeiro ... e os chefes de todas as religiões do mundo. Estavam lá industriais, cientistas, doutores e engenheiros famosos.  Estava lá toda a escumalha da terra, pois era um reunião que prometia.
      Estes senhores estavam esperançados que o casal satânico arranjasse uma solução, para terminar definitivamente com as regalias que restavam da passada democracia. É que os trabalhadores estavam a fazer tudo para recuperar o poder e começavam a levantar cabelo, outra vez.  Coitados dos pobres, pois se aproximava o tempo da Grande Tribulação.
      Aqueles senhores vieram de espaços culturais muito diversificados, mas havia um objectivo comum que os ligava - a destruição final do homem de papelão.  E como eles não olham a meios para atingirem os seus fins, estavam dispostos a utilizarem toda a sua tecnologia infernal, não para acabarem com a pobreza, como andavam por aí a dizer, mas para explorarem ainda mais os pobres.
      Discutia-se ainda, naquela reunião, a possibilidade de viajar pelo tempo através de uma máquina que era capaz de fazer a simbiose entre a Ciência e o Misticismo, e voar por um espaço virtual tanto para o passado, como para o futuro. Bastava pôr a marcha à frente ou a marcha-atrás na máquina.
      Com estas descobertas científicas e místicas, tudo se tornava mais fácil a partir de agora. Fantasias do passado estavam à beira de se tornarem grandes realidades.
      Se os ricos pudessem ir ao passado, ou ao futuro, para roubar, eles iriam, sim senhor!   Os reis, a nobreza e o clero estudam muito, mas não sabem fazer outra coisa, senão roubar e destruir. Através das novas descobertas, eles intensificaram a sua intimidade com o ladrão do mundo oculto e, "o ladrão não veio senão para matar e destruir" (d).
      Mas, no meio de todas aquelas aldrabices que saía da boca da Besta, havia uma coisa que desapontava a escumalha que lá se encontrava reunida.  É que ainda não tinham conseguido descobrir o segredo da vida. Já tinham concebidos muitos seres e clones, mas não eram mais do que uma reprodução ou enxerto de órgãos e genes.
      Lucénio começou o seu discurso:
-     A honra e o poder do meu mestre estão em jogo. Há que destroçar os rebeldes, o mais rápido possível.
-     Eu estou a vê-los, mesmo agora, a espiarem-nos ... Eu estou a vê-los - berrava, Lucênio, infernalmente.
-     Esperem, já não os vejo, já estão com as suas simulações angelicais - exclamou  o animal.
-     Espírito malvados - gritou -, anulem essa simulação.
-     Mas, chefe - responderam quatro seres baixotes, invisíveis - parece que já não te lembras da última vez ?
-     Não é uma simulação é a luz de Gabriel ... a luz dele – disse um outro a gaguejar -, vem do Altíssimo, e anula as nossas trevas.
-     Seus imprestáveis, estão destituídos, voltem já para o inferno. - E voltaram mesmo, desaparecendo num instante.
-     Eles que ouçam tudo, mas, esta noite tu - e apontou o dedo desformado para a Besta -,  e eu ... - e apontou para ele próprio -, vamos estar na Praça Central, e o povo vai acreditar em nossas mentiras. (e)

(a)  Apocalipse 20:11
(b)  Gênesis 15:16
(c)  Apocalipse 11:18
(d)  João 10:10
(e)  II Tessal 2:8-12

CAPÍTULO 14

O SENTIDO DESTE MUNDO DE FERRO É PERFEITO

O menino de papelão encontra em Deus um sentido perfeito


      Naquela noite, sete biliões de pessoas tinham os olhos postos na Praça Central da Grande Babilónia. As imagens eram enviadas para terra através de satélites, pelos corredores virtuais e, aonde não existiam monitores, as pessoas podiam ver as imagens suspensas no ar. O mundo estava pasmado diante desta transmissão que tornou a Besta omnipresente. Ao mesmo tempo que a transmissão prosseguia, os exércitos humanos e demoníacos da Besta e de Lucênio, se encontravam prontos para iniciar a guerra do Armagedom.(a)
      A Besta proferia promessas mentirosas acerca da paz internacional. Incitava as populações a denunciarem os opositores do governo. A cada bojarda mentirosa da Besta, Lucénio levantava as mãos horrendas e caia fogo do céu.
      O mundo, maravilhado diante daquele espectáculo, gritava. - Viva a Besta, o Salvador do mundo, quem pode vencê-lo ...(b)
      O mundo todo podia ouvir a Besta a falar, enquanto Lucénio levantando os braços ao ar, gritava descomunalmente. A sua voz ecoava pelos corredores virtuais e mobilizava todas as hostes malignas para a guerra final do planeta.
      De repente, ouviu-se uma berraria vinda de todos os cantos da terra. - Abaixo os opositores do governo da Besta, viva Lucrécio, viva Lucênio, destruamos todos aqueles que não têm gravado em suas testas o número 666, da Besta.
      Houve, então, uma mobilização geral dos exércitos da Besta e das hostes malignas, percorrendo velozmente as ruas e as ondas magnéticas virtuais, à procura do Padre Justino e de todos os que lutavam pela justiça, neste mundo de ferro.
      O sinal secreto do alarme foi emitido, na sede do partido. Os elementos do partido entraram em debandada, mas, os labirintos do subterrâneo, já estavam sendo evadidos por todos os lados.
      Clara e Cláudio tentaram chegar a uma saída secreta existente num subterrâneo abaixo, mas, adivinhem, quem já estava lá, à espera deles?  Lucílio!
      O farda castanha, ao seu lado, arrancou Clara dos braços de Cláudio. Ela caiu por terra desamparada. Dava dó vê-la deitada de bruços, com os braços levantados, dizendo para Cláudio:
-     Cláudio, meu bem, bem dizias tu que não seríamos um para o outro. O nosso sonho acabou.
      E, olhando para o céu, perguntava em voz bem alta.
-     Porquê? Que mal te fizemos? responde-me meu Deus?  Porque permites que os pérfidos, ainda por cima, sejam os nossos carrascos?
      E implorava a Cláudio, dizendo:
-     Foge Cláudio ... foge ... aceita a ajuda que te quer dar o anjo Gabriel. Talvez não me façam mal algum, mas se te apanham a ti, tornar-te-ás num miserável ... animal ...
-     Cláudio, foge. Eu já não te sirvo para mais nada.
      Gabriel, invisível, puxando pelo braço de Cláudio,  disse-lhe - foge ... ela tem razão.
-     Não, Gabriel. Não a podemos deixar com eles.
      E, enquanto dizia isto, a sua mão deslizava para o revólver do pai, escondido debaixo da camisa.
      Lucílio, notando o gesto de Cláudio, pressionou o controle e o guarda-costas ao seu lado, que era o pai de Clara, levantou a arma para alvejá-lo. Cláudio, informado rapidamente por Gabriel, que o guarda era o pai de Clara, em vez de sacar o revólver, desviou-se da sua trajectória.  Nisto, o pai de Clara, tropeçou no pé invisível de Gabriel e apertou acidentalmente o gatilho, uma, duas, três vezes. O primeiro e o segundo balázio entraram no peito de Lucílio atravessando-lhe o coração ao meio.
      O terceiro balázio atravessou o cérebro do pai de Clara, quando ele apertou o gatilho de novo,
ao cair no chão sobre o seu próprio revólver.
-     Ainda bem que Clara não sabe que é o seu pai - disse Cláudio para si mesmo.
      Vê-lo ali, deitado de barriga para baixo, com a cabeça desfeita pelo tiro, iria aumentar o seu sofrimento !
      Tudo isto se passou em escassos milésimos de segundos.
      Era demais ver aquela cena. Clara caída de bruços por terra, Lucílio, com o sangue a jorrar pela boca e o senhor Heitor tombado por terra com o cérebro rebentado.
      Era uma cena horrorosa demais para Clara. Deitada no chão, ela começou a sentir as dores de parto, contorcendo-se toda. Gabriel, tomou-os e levou-os para o abrigo de Justino. Naquele quarto velho, todo desarrumado e cheiroso, nasceu o menino. Cláudio ao contemplá-lo, perguntava a si próprio: - Será este menino filho de uma comédia humana ou divina?  Este filho misterioso da vida ... o filho de Lucílio!
      Eles lutaram toda a noite com a vida de Clara, mas, ao despontar o sol da manhã, a sua vida despontou no mundo que existe para além das galáxias ... o mundo de sonho dos homens e das mulheres de papelão!
      Cláudio, o Padre Justino e alguns amigos que tinham escapado daquela matança, desciam as escadas do seu esconderijo, rumo ao desconhecido, sentindo-se cansados, mas cheios de esperança. Eles sabiam que o Fim do Mundo de Ferro se aproximava, e o Rei dos Reis estava prestes a descer dos céus, com a sua comitiva celestial, para fazer guerra à Besta, ao falso profeta e aos seus exércitos ...
      Justino e Cláudio sabiam disso. Eles acreditavam Naquele que disse “Estas palavras são fiéis e verdadeiras ; e o Senhor enviou o seu anjo para revelar as coisas que em breve irão acontecer. Eis que cedo venho”.(c)
      Nos braços de Cláudio ia o menino de papel, o filho maravilhoso do hediondo crime de Lucílio.
      Este menino era um símbolo da corrupção, da intriga e da traição que existe neste mundo de ferro.
      Mas, por paradoxal que pareça, este menino de papel era também o símbolo do amor infinito e eterno de Deus, que diz: “não te deixarei, nem te desampararei”, quaisquer que forem as circunstâncias em que nasceste. (d)
-     Mas, - pensava calmamente Cláudio afagando o menino nos seus braços -, afinal és uma criança, como outra qualquer.  Muitos dirão que não devias nascer? Outros perguntarão porque te deixaram nascer?  O que me importa isto, afinal és como qualquer outro -, disse, acariciando-lhe os dedos pequeninos -, não te deixarei, nem desamparei. – Dizia Cláudio.
      Tendo já percorrido alguns quilómetros, com o menino docemente apertado contra o seu peito, dizia-lhe baixinho -, não vai ser fácil para ti, não! Muitas interrogações terás sobre o teu passado! Mas não faz mal, verás ...
      E o tiro soou vindo da janela do escritório da Dona Zulmira. Um único tiro, certeiro. O padre Justino, olhando para trás, só teve tempo de receber nos braços o menino que Cláudio lhe entregava, ao cair baleado por terra.
      Os sinos da Igreja, no preciso instante em que o tiro começou a soar nos ares, não tendo ainda atingido o seu alvo, começaram a tocar uma melodia celestial. As portas se abriam e as pessoas saiam assombradas das suas casas, atraídas pelo barulho do tiro que ainda ecoava nos ares e se harmonizava perfeitamente com a melodia celestial vinda dos sinos da Igreja, perfazendo uma combinação maravilhosa e misteriosa entre o mal o bem.
      Enquanto os sinos da Igreja entoavam a música celestial, em perfeita harmonia com o eco do balázio, o coro dos anjos comemorava nos céus a entrada de Cláudio na sua gloriosa morada.
      A amiga que Deus tinha escolhido para ser a sua grande amiga ... neste vale de sofrimento e de lágrimas, estava à sua espera ... abraçaram-se os dois ... um grande abraço de amigos ... eternos.
      E,  Justino, levando o menino ao colo, com as lágrimas rolando pelo rosto abaixo, cantava, acompanhando a música misteriosa que ainda ressoava nos ares, proveniente do revólver da Dona Zulmira e  dos sinos da igreja.

(a)  Apocalipse 16:14-21
(b)  Apocalipse 13:4
(c)  Apocalipse 22:6
(d) Hebreus 13:5

CONCLUSÃO

      O justiceiro da nossa história, que considerava as riquezas deste mundo como  lixo comparado com as riquezas celestiais, cantava em homenagem a Cláudio e a Clara e a todos os meninos de papelão, que suportam corajosamente debaixo dos sofrimentos implacáveis deste mundo de ferro:

-     Eu vejo Deus,  nas cores do arco-íris,
      E o seu lindo rosto no azul do mar.
      Eu vejo-o no reluzir das estrelas,
      E à noite vejo o Seu amor no luar.
-     Eu ouço Deus, no cântico do rouxinol,
      E nos sábios conselhos do Pai,
      Eu ouço-o no silêncio do pôr do sol.
      E ouço a sua voz, na voz doce da Mãe.
-     Eu sinto Deus, longe da maldade,
      E muito distante na opressão.
      Eu sinto-o perto na igualdade,
      E sinto Deus onde existe perfeição.
-     Eu sei que tu não és o culpado do mal,
      Tu és o autor do bem.
      E embora me pareça paradoxal,
      Tu és o autor também
      Deste menino de papel.

      O Padre Justino cantava, olhando para o lindo menino  que levava ao colo, para quem já tinha escolhido o nome de “Lúcio” em homenagem à perfeição de Deus. Mas havia dentro dele uma grande luta e as suas lágrimas rolavam até ao chão. Então, levantou os olhos aos céus para fazer uma pergunta a Deus:

-     Esta será a minha última pergunta - dizia ele consigo mesmo.

    Mas, nisto, ele conteve-se, e continuando a ouvir o som do balázio que ainda lhe ressoava nos ouvidos e os sinos da Igreja disse para si mesmo:

-     Quem sou eu para interrogar
      Os céus silenciosos?
      E que posso perguntar ao infinito,
      Com meu finito saber?

-     Ainda que os céus abrissem os lábios
Á minha razão,
      E o infinito revelasse os seus tesouros
      aos meus sentidos,
      Seria eu capaz de compreender?

-     Mas, se houver um HOMEM
      Que me prove pelas suas palavras
      Que veio dos céus,
      Para me revelar
      Alguns segredos do infinito,
      E me der A sabedoria do outro mundo,
      Eu nunca mais interrogarei os céus.
      Eu nunca mais perguntarei nada ao infinito.
      Eu crerei NELE.
      E se for verdade que ELE por nós morreu ...
      
-    Olhando para o menino de papel, ele concluiu:
      Eu deixarei de questionar a nossa cruz,
      E passarei a olhar para a CRUZ DELE

I Timóteo 6 :17-9

« 17 Manda aos ricos deste mundo que não
sejam altivos, nem ponham a esperança
na incerteza das riquezas, mas em Deus,
que abundantemente nos dá todas as
coisas para delas gozarmos;

18 Que façam o bem, enriqueçam em
boas obras, repartam de boa mente, e
sejam comunicáveis;

19 Que entesourem para si mesmos um
bom fundamento para o futuro, para que
possam alcançar a Vida Eterna. »


FIM